CONTATO: gomesaccioly@gmail.com - 68 99775176

quarta-feira, 30 de junho de 2010

UFAC vai aderir ao ENEM: Em coletiva, Reitora Olinda Batista explicou que ainda não foi definido se adesão será total ou parcial


A reitora da Universidade Federal do Acre, Olinda Batista, concedeu na manhã desta quarta-feira, 30, entrevista coletiva sobre a adesão da UFAC ao Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM).
No decorrer da entrevista, a reitora falou que a instituição no ano passado já aderiu ao ENEM e que neste ano deverá aderir novamente, faltando apenas a definição da forma de adesão, se parcialmente ou totalmente.
A decisão dessa particularidade deverá ser conhecida na próxima segunda-feira, após reunião com a comunidade acadêmica e homologação pelo Conselho Universitário.
A não obrigatoriedade da adesão deixa a instituição com liberdade para assumir a forma que julgar melhor para a comunidade, neste ano e nos seguintes, observando-se que um elemento positivo do ENEM é a oportunidade que proporciona à todos, situação que é limitada pelo vestibular.
A reitora recomendou a todos interessados que façam suas inscrições no ENEM, independente da forma de adesão eleita pela UFAC. No Conselho Universitário, todos são a favor do ENEM, discutindo-se apenas a forma de adesão.

PROMOÇÃO: GANHE UMA CAMISETA DO BLOG NO PRÓXIMO JOGO DO BRASIL


Faça seu comentário opinando sobre o placar do jogo Brasil e Holanda e concorra ao sorteio de uma camiseta com o logo do blog.
Só concorrerão as pessoas que se identificarem com nome, endereço e contato.
Só até sexta as 10 horas

Os ganhadores ou ganhadoras terão seus nomes anunciados no blog.

BLOG DA AMAZÔNIA


Índios protestam contra o projeto de Ratinho explorar madeira no Acre

Altino Machado às 10:12 am

Carlos Massa, o Ratinho, investindo no desenvolvimento acreano
Índios e ribeirinhos de sete aldeias da etnia yawanawá ameaçam fechar a partir desta quinta-feira (1) a BR-364, que liga a capital Rio Branco ao interior do Acre, em protesto contra a relação do governo estadual com a empresa Radan Administração e Participação Ltda., que tem como sócio majoritário o apresentador de TV Carlos Massa, o Ratinho.
A Radan obteve licenciamento para exploração madeireira em 150 mil hectares na Floresta Estadual do Mogno, na margem esquerda da BR-364. Os planos de negócio e manejo florestal, analisados e aprovados pelo governo estadual, incluem a instalação de uma indústria de beneficiamento de madeira na região.
Duas organizações do povo yawanawá entregaram na semana passada uma carta ao governador Binho Marques (PT) na qual criticam duramente a relação do Estado com a empresa de Ratinho. De acordo com os índios, está chegando ao final o terceiro mandato da coligação Frente Popular do Acre e o governo pouco ou quase nada de significativo tem feito para ajudar concretamente as comunidades indígenas.
Leia mais AQUI

Blog anuncia que prefeitura vai pavimentar com tijolos e asfalto 48 ruas em Tarauacá.


Recentemente o Blog do Chiquinho, publicou fotos do Prefeito Vando e representantes da Caixa Econômica Federal  e anunciou que o dinheiro já está liberado e que a Prefeitura deve pavimentar 48 ruas em Tarauacá, sendo 42 de tijolos e 5 com asfalto. O blog só não divulgou ainda o cronograma de trabalho incluindo as ruas que serão pavimentadas em cada bairro. 


Pedi a um vereador amigo meu que pedisse, através da Câmara, esse cronograma para que a gente pudesse distribuí-lo aos presidentes dos bairros.
A população vai receber o justo benefício e cabe aos vereadores cumprirem com seus deveres constitucionais que é de acompanhar e fiscalizar a aplicação desses recursos.
Que empresas vão construir essas ruas, o processo de licitação, a origem da matéria - prima usada nas obras, os prazos estabelecidos em contrato e a qualidade dos serviços, devem ser questionadas pela população e pelos seus representantes eleitos para exercerem esse trabalho.

veja a matéria AQUI

Governo concede gratificação para gestores da Polícia Civil

O governo do Estado divulgou no Diário Oficial de ontem o decreto que regulamenta o banco de horas para os policiais civis. Na mesma publicação, a direção do órgão terá direito a gratificações por comando.

A regra dos adicionais beneficiará ocupantes dos cargos de corregedor, diretor de inteligência, diretor de polícia da capital, do interior; do departamento técnico e os cargos de confiança.

Para o pagamento dos valores extra, o governo do Estado disponibilizou R$ 30 mil para ser distribuídos de acordo com a hierarquia. A justificativa para o acréscimo nos salários é que as responsabilidades em segurança pública aumentaram.

O policial comum só terá algum valor extra se participar do banco de horas, ou seja, toda vez que for convocado para prestar serviço durante o seu horário de folga. Os valores não poderão ultrapassar 70 horas mensais. Não terão direito ao banco de horas os agentes que possuírem cargo comissionado ou função gratificada, que for punido ou condenado na Justiça comum, que estiver de férias, de licença, aposentado ou cedido a outras secretarias. Delegados e peritos também foram excluídos. (Freud Antunes)

a tribuna

Pesquisa do Instituto Vox Populi confirma Dilma a frente de Serra

Candidatos1
Pesquisa Vox Populi sobre a eleição presidencial indica que Dilma Rousseff (PT) tem 40% das intenções de voto. José Serra (PSDB) tem 35%. Marina Silva (PV), 8%. A sondagem foi feita de 24 a 26 deste mês e tem margem de erro de 1,8 ponto percentual.
Pela 1ª vez, Dilma passa a frente de Serra em pesquisa Vox Populi. A última sondagem do instituto (feita de 8 a 13.mai.2010) indicou empate técnico entre os candidatos, por conta da margem de erro que era de 2,2 pontos percentuais (para mais ou para menos). Em maio, no cenário em que apenas os Dilma, Serra e Marina foram apresentados aos entrevistados, a petista teve 37% (podendo variar de 34,8% a 39,2%, por conta da margem de erro). O tucano teve 34% (variando de 31,8% a 36,2%).

leia mais AQUI


Ufac anuncia hoje se adotará Enem

Ufac-Olinda3006
A reitora da Universidade Federal do Acre (Ufac), Olinda Batista, anuncia em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira como e se a instituição adotará o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em seu processo de seleção de novos acadêmicos. O anúncio acontece depois de muitas reuniões internas do Conselho Universitário, que não chegava a um consenso quanto à adoção ou não.

leia mais AQUI

terça-feira, 29 de junho de 2010

Polícia Federal: concursos com até 520 vagas, a partir de julho

Vencimentos iniciais são de R$2.899,97, incluindo gratificação. Há ainda auxílio-alimentação de R$304, elevando a remuneração para R$3.203,97 

Aqueles que já possuem ou estão próximos de completar o ensino médio estão prestes a ganhar uma grande oportunidade de ingressar no serviço público federal, em uma das instituições mais bem conceituadas do país. Segundo revelou com exclusividade à FOLHA DIRIGIDA o diretor de Gestão de Pessoal da Polícia Federal (PF), delegado Joaquim Mesquita, o órgão pode realizar, no segundo semestre deste ano, concurso para cerca de 400 vagas de agente administrativo, cujos vencimentos iniciais são de R$2.899,97, incluindo gratificação. Há ainda auxílio-alimentação de R$304, elevando a remuneração para R$3.203,97. A realização do concurso depende da permissão do Ministério do Planejamento.

A notícia antecipa os planos de quem já aguardava a possibilidade de fazer parte do quadro de apoio da PF. Desde fevereiro desse ano, já está no Ministério do Planejamento projeto de reestruturação da carreira administrativa do departamento, que prevê a criação de três mil vagas, nos níveis médio e superior. No entanto, a proposta, após aprovação do ministério, precisa passar pela Casa Civil e Congresso Nacional, para que em seguida seja solicitada ao Planejamento a autorização para a realização de concurso.

O processo, um pouco mais longo, faz com que a PF tenha que buscar uma solução mais imediata para a recomposição de seu quadro administrativo, que se encontra defasado. "Temos consciência da necessidade de fazermos concurso para a carreira administrativa. Sobretudo para agente administrativo, um cargo de nível médio", reconheceu o diretor. As vagas a serem oferecidas no concurso serão aquelas que já existem na estrutura da PF e que estão ociosas devido a exonerações, aposentadorias, entre outros.

São atribuições do cargo de agente administrativo do órgão o desenvolvimento de atividades que envolvem a apresentação de soluções para situações novas; necessidade de constantes contatos com autoridades de média hierarquia, técnicos de nível superior, e eventualmente autoridades de alta hierarquia; planejamento em grau auxiliar e pesquisas preliminares, sob supervisão indireta, visando à implementação das leis, regulamentos e normas referentes à administração geral e específica; supervisão dos trabalhos que envolvam a aplicação das técnicas de pessoal, orçamento, organização, métodos e material executados por equipes auxiliares; e chefia de secretarias de unidades da mais alta linha divisional da organização.

Leia mais AQUI

Exército abre 321 vagas para o Acre e outros 16 estados

Inscrições poderão ser realizadas apenas via internet, no período de 5 de julho a 3 de agosto. Salário varia entre R$ 2.560 e R$ 3.870 

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP) expediu portaria publicada no Diário Oficial da União tornando pública a abertura de inscrições para seleção de candidatos interessados em seguir carreira de Tecnologia Militar, destinado ao preenchimento dos cargos de analista, engenheiro e técnico de tecnologia militar.

As vagas são para os estados do Acre, Amazônia, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Roraima, Rondônia, Minas Gerais, Piauí, Ceará, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Pernambuco.

Ao todo, serão oferecidas 321 funções de nível superior e médio com salário que varia entre R$ 2.560 e R$ 3.870. As inscrições poderão ser realizadas apenas via internet, no período de 05 de julho a 03 de agosto de 2010, nos sites www.ibfc.org.br e http://dcip.dgp.eb.mil.br.

O valor da taxa de inscrição para será de R$ 70 para nível superior e R$ 50 para médio. As provas serão realizadas nas cidades com disponibilidade de vagas no dia 28 de agosto deste ano. O concurso, organizado pelo Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC), será válido por um ano.


VAGAS PARA TARAUACÁ: Instituto Dom Moacyr oferece 200 vagas para curso de informática

Processo Seletivo destina-se a 200 vagas para o curso de configuração de rede wireless

O Instituto Dom Moacyr está com inscrições abertas para o Processo Seletivo de Educandos para os Cursos de Qualificação Profissional do Projeto Floresta Digital que será realizado nos municípios de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Brasiléia/Epitaciolândia, Sena Madureira, Tarauacá, Feijó e Xapuri.

O Processo Seletivo destina-se ao preenchimento de 200 vagas para o curso: Configuração de rede wireless, com 90 horas de carga horária.
As inscrições encerram amanhã, 30 de junho de 2010 e podem ser feitas no horário das 8h30 às 11h30 e das 14h30 às 17h.

Rio Branco - 
Centro de Educação Profissional Campos Pereira

Rua Riachuelo, 138 – Bairro José Augusto 80

Cruzeiro do Sul - Centro de Formação e Tecnologia do Juruá - CEFLORA

Brasiléia/Epitaciolândia - Núcleo de Atendimento da Secretaria de Estado de Educação SEE.

Rua Benjamin Constant, 64 - Centro 20

Sena Madureira - Núcleo de Atendimento da Secretaria de Estado de Educação SEE

Avenida Avelino Chaves, 690 20

Tarauacá - Núcleo de Atendimento da Secretaria de Estado de Educação SEE

Rua Justiniano de Serpa s/n - Centro 20

Feijó - Núcleo de Atendimento da Secretaria de Estado de Educação SEE

Avenida Marechal Deodoro, 1.140 20

Xapuri - Polo Moveleiro Rua Luis Ramos de Albuquerque, 331 20

O candidato deverá apresentar os originais de seus documentos pessoais (Cédula de Identidade e CPF)

Concurso do TRE-Acre: R$3.993 para nível médio

Estão abertas as inscrições do concurso para o Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC). A princípio serão oito vagas, sendo uma reservada aos portadores de deficiência, nos cargos de técnico e analista judiciários, a serem distribuídos pelos cartórios de todo o estado.
As oportunidades são para os níveis médio e superior, com remunerações de R$3.993,09 e R$6.551,52, respectivamente, incluída a gratificação de atividade judiciária (GAJ), para jornada de trabalho de 40 horas semanais. O regime de contratação será o estatutário, que garante a estabilidade na profissão.

Apesar do número inicial de vagas oferecidas ser pequeno, o presidente do TRE-AC, desembargador Arquilau de Castro Melo, manifestou o interesse na ampliação das vagas por meio de formação de cadastro de reserva: "No decorrer do prazo de validade do concurso chamaremos muito mais do que o previsto inicialmente para a composição desses servidores nos cartórios. E isso depende de lei a ser aprovada no Congresso Nacional", explicou.

Os interessados devem realizar as inscrições exclusivamente pela internet, através do endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas, organizadora, até o dia 2 de agosto. Na página, o candidato preencherá a ficha de inscrição e em seguida emitirá a guia de pagamento, cujo valor é de R$75 para técnico judiciário e R$85 para analista. Não serão aceitos pedidos de isenção da taxa de inscrição.

Concurso terá duas etapas
A seleção consistirá em duas etapas, sendo a primeira uma prova objetiva de 80 questões, com 30 abordando assuntos de Conhecimentos Gerais e 50 sobre Conhecimentos Específicos.

 Para chegar a aprovação, o participante deverá obter nota igual ou superior a 50% da totalidade das questões. A prova está marcada para o dia 5 de setembro em turnos matutino e vespertino nas cidades de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Brasiléia e Tarauacá.
A segunda etapa, restrita àqueles que visam ao cargo de analista judiciário, de nível superior, consistirá na aplicação de uma prova discursiva, onde os concorrentes serão submetidos a uma redação sobre um tema relacionado a Conhecimentos Específicos.

A classificação final será definida através da soma dos resultados das duas provas. (Folha Dirigida)

O FALECIMENTO DE IRMÂ BORJA: Ela trabalhou durante 9 anos em Tarauacá


Clique Na imagem para AMPLIAR

Agentes não podem fazer greve


A juíza da 2ª vara da Fazenda Pública, Regina Célia Ferrari Longuini, decidiu que os agentes penitenciários não têm direito a greve. O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindap), Adriano Marques prometeu recorrer do despacho publicado na semana passada.

Com a determinação, a magistrada encerrou o movimento dos carcereiros que estavam de braços cruzados há 62 dias. A mobilização já estava seguindo uma determinação da Justiça de que apenas 20% dos 880 servidores poderiam aderir à paralisação.

O presidente do sindicato disse que a categoria realizará atos públicos com os trabalhadores que estiverem de folga como alternativa para protestar contra a falta de estrutura de trabalho nas unidades prisionais.

“Vamos recorrer até o Superior Tribunal de Justiça para reaver nosso direito que está garantido na Constituição. Enquanto não há uma decisão final, realizaremos protestos”, falou o sindicalista.

A proposta do representante do Sindap é pedir, também, o apoio de outras categorias, porque o despacho da magistrada pode abrir um precedente, considerando qualquer greve ilegal.

“Eles estão fazendo isso com os agentes, porque somos em menor número, mas eles não tiveram coragem que fazer o mesmo com os professores, porque são mais de 13 mil eleitores”, protestou Adriano Marques.

Perseguição

O presidente do Sindap acusou o diretor-presidente do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Leonardo Carvalho, de perseguição que estaria realizando o corte nos pontos dos grevistas. De acordo com Adriano Marques, a direção do Iapen estaria efetuando cortes até dos salários dos servidores que estavam de férias e dos diretores do sindicato.

“Não é coincidência eles realizarem um corte de até 70% em meus vencimentos, retirando até as gratificações. A equipe de governo disse que foi um engano, mas o órgão de que faço parte não respondeu a nenhum dos meus ofícios que questionam o assunto”, atacou o sindicalista.

Protesto

A onda de protestos deverá começar na próxima semana, encenando em pleno centro de Rio Branco o enterro do direito de greve, previsto na Constituição federal.

“Vamos acatar a determinação da Justiça, mas vamos protestar contra um ato que é contra a nossa Constituição Federal. Para isso, vamos usar caixões”, finalizou o presidente do Sindicato. Por telefone, a equipe do jornal A TRIBUNA tentou ouvir o diretor-presidente do Iapen que não atendeu as ligações.(Freud Antunes)

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Câmara de Vereadores vota nesta terça feira a criação do Conselho Municipal de Cultura de Tarauacá.

DOIS PROJETOS IMPORTANTES SERÃO VOTADOS NESTA TERÇA FEIRA NA CÂMARA DE VEREADORES.


A sessão da Câmara de Vereadores de Tarauacá que será realizada nesta terça feira, 29 de junho, tem na pauta a votação de dois importantes projetos de autoria do Vereador Luis Meleiro (foto).

O Primeiro Projeto cria o conselho Municipal de Cultura. 
O projeto é fruto de uma processo de discussão que culminou com a realização da !ª Conferência Municipal de Cultura, realizada nos dias 1 e 2 de agosto de 2009. A Lei institucionaliza a relação entre a administração municipal e os segmentos da sociedade civil organizada, ligados à cultura, participando da elaboração e da fiscalização da política cultural do município. 
O Conselho Municipal de Cultura deve agir com o objetivo de identificar as especificidades culturais do município e potencializar sua produção no sentido de que nossa riqueza cultural possa gerar emprego, renda e contribuir com o aquecimento da economia do município.

O Segundo é o projeto que propõe, entre outras medidas, votação universal para escolha dos Conselheiros Tutelares do município. A escolha dos conselheiros, atualmente, é realizada por representantes do poder público e da sociedade civil organizada. Se for aprovado as regras já valerão para a próxima eleição que deve acontecer em agosto desse ano.

Esperamos que tudo corra bem e que os vereadores aprovem os dois projetos.


foto: Giovanni Accioly

SEM RECUPERAÇÃO: SAIU DA PENITENCIÁRIA HÁ POUCO TEMPO E JÁ ESTAVA TRAFICANDO DROGAS EM TARAUACÁ

droga e dinheiro apreendidos

A Polícia ´Civil de Tarauacá recebeu uma denúncia na última sexta feira de que um rapaz que havia saído da penitenciária há poucos dias, estaria vendendo drogas no Bairro da Praia. Os policiais montaram uma campana e passaram a seguir os passos do traficante. "Nelson" como é conhecido foi seguido pelos policiais até o Bairro Avelino Leal, até ser abordado. Com ele a polícia encontrou 12 papelotes de pasta base de cocaína (cabecinhas) e o dinheiro já faturado no dia.
Preso em flagrante o mesmo já está de volta ao presídio. Aliás, boa parte dos crimes que acontecem em Tarauacá têm o envolvimento de ex-presidiários ou de presidiários que estão em liberdade condicional.
Cabe aqui algumas reflexões sobre os detentos que estão no presídio. Será que o estado está recuperando mesmo esses jovens que cometem crimes? Ou será que para alguns não há recuperação? O que a sociedade pode fazer para recuperá-los? Com a palavra as autoridades e os leitores do Blog do Accioly.

FUNASA ABRE CONCURSO COM VAGAS PARA O ACRE


Funasa
A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) abriu processo seletivo simplificado para 51 vagas temporárias de nível superior. O salário é de R$ 6.130 (veja aqui o edital).

As vagas são para áreas de engenharia de saúde pública (especialidades de engenharia civil, engenharia sanitária, geologia, bioquímica, biologia ou química) e controle interno (engenharia civil ou engenharia sanitária).
As inscrições devem ser feitas de 28 de junho a 16 de julho pelo sitewww.institutocetro.org.br. A taxa é de R$ 65.
As contratações terão validade de um ano, podendo ser prorrogadas por até no máximo cinco anos.
As vagas são para os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Sergipe, São Paulo, além do Distrito Federal.
Serão aplicadas provas objetivas e prova de títulos e experiência profissional.
As provas objetivas serão realizadas nas cidades de Aracaju, Belém, Boa Vista, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Macapá, Manaus, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís, São Paulo e Teresina, na data prevista de 29 de agosto.
VEJA MAIS CONCURSOS AQUI

SANGUE NOVO: Baixe a nova música da Banda Los Porongas


Novo Cd deve ser lançado em outubro

Baixe a nova música AQUI

COPA 2010: BRASIL ENCARA CHILE HOJE AS 14:30, HORA/ACRE

domingo, 27 de junho de 2010

Mutirão deve liberar mais de 300 presos no Estado

Por: Bruna Lopes - O Mutirão Carcerário realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pode resultar na concessão liberdade a aproximadamente 300 detentos. O mutirão carcerário em andamento em todo o Estado revela que a maior taxa de encarceramento de presos provisórios do Brasil pertence ao Acre, com aproximadamente 496 presos para cada 1.000 habitantes.

Durante o mutirão os defensores públicos identificaram inúmeros casos de detentos que estão presos, mas que poderiam ser beneficiados por progressão de pena ou estar em liberdade condicional.

De acordo com o chefe da Defensoria Pública, Dion Nóbrega Leal, a instituição entrou com apenas um pedido de habeas corpus, com pedido do benefício de regime semi-aberto para 40 presos.

Dion explica que a maior parte dos presos está voltando ao presídio porque apresentam faltas, ou seja, não retornam no devido prazo para o presídio. Os presos alegam que, no momento em que saem de casa para justificar a ausência, são encontrados pela polícia e encaminhados de volta ao presídio.

“Há casos de detentos que estão no semi-aberto e com trabalho externo que, por não retornarem durante uma noite, estão punidos sem terem a oportunidade de justificarem a falta”, diz Dion Nóbrega. A audiência para justificar a falta pode demorar até cinco meses para acontecer.  “Sabemos disso porque 90% dos detentos são clientes da defensoria pública”, completa.

A polícia age dessa maneira devido a uma portaria da juíza da Vara de Execuções Penais, Maha Manasfi, que autorizava a prisão imediata de detentos que não justificassem a falta. Levando em consideração essa realidade e as propostas discutidas durante o mutirão do CNJ, a juíza decidiu suspender a portaria. “Agora eles podem comparecer a vara criminal e apresentar a justificativa para a falta, e a juíza decide se ele continuará a desfrutar do semi-aberto ou voltará ao regime fechado”, contou Leal.

Andamento do mutirão

O Estado possui uma população carcerária de 3.421 detentos, embora comporte em sua estrutura apenas 1.588 vagas. A taxa elevada de encarceramento no Estado foi o que levou o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a escolher o Acre para a realização do mutirão carcerário.

Para tanto, O Estado foi dividido em três pólos de trabalho: Rio Branco/Sena Madureira. Rio Branco e Cruzeiro do Sul não concluíram os trabalhos. Em Sena Madureira, foram revisados 222 processos e 12 detentos provisórios receberam da liberdade.

No caso de Tarauacá foram analisados 214 processos de presos provisórios e, destes, 32 tiveram as audiências antecipadas, o que resultou em 11 concessões de liberdade. Desde o início do mês até a última quinta-feira (24) foram analisados 1.614 processos. Como resultado do mutirão carcerário, o sistema prisional deve conceder liberdade a aproximadamente 300 detentos.

Oposição lança “Chapão” para federal


A convenção dos partidos de oposição homologou a chapa majoritária, formada pelo candidato a governo, Tião Bocalom (PSDB), o vice, apóstolo José Ildson (PPS), e os aspirantes ao Senado Sérgio Petecão (PMN) e João Correia (PMDB). Foram apresentados também os candidatos ao cargo de deputado estadual e federal. Compareceram ao evento milhares de militantes dos oito partidos. 

Os partidos que formam o bloco de oposição são: PSDB, PMDB, PMN, DEM, PPS, PSL, PT do B e PSC. Eles apostam na velha máxima de que a união faz a força, estratégia que pretendem, como ressaltam, combater a máquina pública. 

O candidato peemedebista ao Senado, João Correia, disse que esse será um dos maiores desafios da vida dele: lutar contra um grupo que está há 11 anos no Poder.  “O Acre está passando por uma crise de emprego, liberdade e segurança”, acrescentou.

No palanque, Tião Bocalom reafirmou que a nova estratégia dos oposicionistas será realmente apostar na união de todos. As palavras do candidato tucano foram aplaudidas pelo público.

Senador

Para o senado o caminho é diferente, como foi dito ontem por Sérgio Petecão. Ele explicou que vai “andar sozinho”, independente de João Correia. “As duas campanhas são independentes”, sentenciou.  

Foram apresentados mais de 100 candidatos. Um a um, os nomes foram citados, partido a partido, dos oito que formam a coligação que vai enfrentar a Frente Popular do Acre (FPA).

Vários prefeitos cujos municípios são de oposição, entre eles Feijó, Bujari e Quinari, prestaram apoio ao novo projeto para alcançar o poder no Estado.

PMDB: “O Acre que nós queremos”

Ainda investindo na união durante a campanha eleitoral deste ano, o diretório acreano do partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) apresentou ontem o plano de governo elaborado durante a pré-campanha do ex-pré-candidato peemedebista Rodrigo Pinto. O projeto foi entregue ao candidato tucano Tião Bocalom. 

“O Acre que queremos” é nome da cartilha com as propostas de gestão administrativas para o Estado. O sonho de um novo modelo de administração foi entregue por um dos maiores ícones da oposição no Estado, Flaviano Melo (PMDB). “Dinheiro não cai do céu, temos que trabalhar”, salientou.

Com a desistência da candidatura de Rodrigo Pinto, Bocalom hoje é a unificação do grupo oposicionista. Ele terá o apoio dos evangélicos personificado no vice-candidato, o apóstolo José Ildson (PPS). Ele encabeça a chapa majoritária que tem como senadores João Correia (PMDB) e Sérgio Petecão (PMN). 

Distribuição das cartas

O Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PSDB) do Acre terá, nestas eleições, 25 candidatos a deputado estadual e quatro a deputado federal. E os peemedebistas não coligarão na chapa para deputados estaduais. Para federal, haverá um único chapão, com 20 candidatos dos oito partidos (PSDB, PMDB, PMN, DEM, PPS, PSL, PT do B e PSC). Dentre os candidatos à Câmara Federal, o deputado Flaviano Melo, presidente regional do PMDB, que busca a reeleição e o ex-prefeito de Brasiléia (220 quilômetros de Rio Branco), Aldemir Lopes.

Um dos 25 candidatos a deputados estaduais do PMDB será o vereador de Rio Branco Rodrigo Pinto. Também os deputados Chagas Romão e Antonia Sales, que tentarão a reeleição, o conselheiro aposentado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), José Eugênio Leão Braga (o Macapá) e o ex-prefeito de Tarauacá, Esperidião Júnior.

Para Flaviano Melo, o PMDB acreano poderá fazer até quatro deputados estaduais e mantém um federal. “Temos chapas muito boas, com excelentes nomes, inclusive o mais antigo filiado do partido, o conselheiro Macapá. Nossa chapa para estadual é puro-sangue, genuinamente peemedebista e foi reforçada pelo vereador Rodrigo Pinto”, disse o presidente regional do PMDB no Acre. 

Edvaldo Magalhães: 'Minha eleição para o Senado vai ser um parto coletivo'

A vida do menino Edvaldo Soares Magalhães começou a mudar na manhã do dia 28 de setembro de 1971. Seu pai, o comerciante Osvaldo Dílson Magalhães, era um dos 28 passageiros do avião DC-3, prefixo PP-CBV da Empresa Aérea Cruzeiro do Sul S.A., que levantou voo do aeroporto de Sena Madureira com destino a Rio Branco e caiu poucos minutos depois dentro da área do seringal Boa Esperança, na Boca do rio Caeté. Todos morreram.

A partir daquele momento trágico, a família teve que refazer os planos e mudar a forma de viver. Seringueira e analfabeta, a mãe Maria Soares Pio, a “Dona Mariquinha”, não conseguiu tocar os negócios deixados por Osvaldo Dílson, que deixou a mulher e três crianças. Edvaldo tinha apenas seis anos de idade.
Sem o suporte do pai, os meninos contaram com a solidariedade e compaixão dos Irmãos Maristas, que permitiram a todos estudar na Escola São José, que ainda hoje é uma das referências em educação em Cruzeiro do Sul.

Edvaldo Magalhães gostou do método adotado pelos maristas. Mudou-se para Tarauacá e ajudou a congregação a se instalar no município. 
Chegou a fazer os votos de castidade, pobreza e obediência, mas novamente mudou o caminho ao perceber que poderia fazer mais por meio da política.
Na política foi o primeiro presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre eleito a partir do interior do Estado. Em 1994 concorreu a primeira vez a deputado estadual e perdeu por um voto.

Nas eleições de 1998 foi eleito a primeira vez e passou oito anos na liderança do petista Jorge Viana. Atualmente está no segundo mandato como presidente da Assembleia Legislativa. 

No último dia 10, o presidente estadual do PC do B foi aclamado pelos partidos da Frente Popular do Acre como um dos candidatos da coligação ao Senado da República.

O deputado, que completa 45 anos de idade hoje, recebeu a reportagem no seu gabinete no terceiro andar da Assembleia Legislativa. Numa conversa que durou 43 minutos, o comunista fez uma análise da trajetória da sua vida, do governo e da Frente Popular.

Lembrança do pai
“O meu pai e a minha mãe eram seringueiros. Moravam no Seringal Russas, na boca do Valparaiso. No primeiro saldo que tirou cortando seringa, ele resolveu romper com a sina de ser explorado. Comprou uma canoa e passou a ser regatão. Regatão, naquela época, era uma espécie de amigos dos pobres, porque furava o esquema dos barracões e vendia mais barato”.
 
Primeira balsa
“Regateando, rapidamente o meu pai se encontrou com a atividade do comércio. Vislumbrando outras possibilidades, mudou-se com a família para Cruzeiro do Sul, onde abriu um comércio no mercado municipal. Com menos de 30 anos era proprietário da primeira balsa que transportava mercadoria de Manaus para o município. Era uma Alvarenga de madeira. Ainda lembro muito bem disso”.

Morte do pai
“A minha trajetória de vida teve uma mudança brusca com o acidente aéreo em que o meu pai faleceu. Ficaram apenas eu e mais dois irmãos. A minha mãe, a hoje professora Mariquinha, era analfabeta e não conseguiu cuidar dos negócios. Veio um tempo de muita dificuldade, mas sempre com dignidade”.

Escola e trabalho
“Na infância eu e os meus irmãos, antes de ir para a escola que os Irmãos Maristas conseguiram para os filhos da viúva por compaixão, pena e caridade, tínhamos que trabalhar vendendo banana e outros produtos da região”. 

Orgulho da mãe 
“Minha mãe tem uma história extraordinária. Ela resolveu estudar quando os filhos começaram a estudar. Terminou o segundo grau junto com o Osvaldo, o meu irmão mais velho, na escola Flodoardo Cabral. Ele foi padrinho de formatura dela e ela, madrinha dele. Mais recentemente, a dona Mariquinha terminou o curso de Pedagogia no Programa de Formação de Professores do governo do Estado. Hoje é professora com diploma da Universidade Federal do Acre”. 

Irmãos Maristas
O meu contato começou na Escola São José, administrada e cuidada pelos Irmãos Maristas, que até hoje é uma grande referência no ensino de Cruzeiro do Sul. Comecei a adentrar por curiosidade e me identifiquei. Também queria ser professor. Entrei no Juvenato, junto com o Moisés Diniz. Entramos no mesmo dia. Eu permaneci na congregação por cinco anos. Fiz os meus votos de pobreza, castidade e obediência. Fui sagrado irmão marista nos chamados votos temporários”. 

Mudança para Tarauacá
“Abrimos a comunidade dos Irmãos Maristas em Tarauacá. Tinha quatro irmãos: eu, o Moisés, o irmão Luiz, um excelente tocador de sanfona, e o Braz, que até hoje mora no município, é professor e conhecido da comunidade”. 

Política e religião
“Na época existia uma visão muito conservadora por parte das nossas congregações no tocante ao envolvimento dos seus membros com os movimentos sociais. Havia posições antagônicas entre a igreja do Juruá e a igreja do Vale do Acre. Estávamos em efervescência no Brasil porque os partidos de esquerda procuravam a legalidade e os movimentos sociais ganhavam campo, espaço e legalidade”. 

Choque de incompatibilidade
“Deixamos os Irmãos Maristas porque dois jovens da congregação recém-aprovados em concurso público para professor passaram a trabalhar pela organização uma associação de professores no município. Isso virou uma coisa incompatível com religião. Tínhamos o professor Pascoal Muniz na luta sindical e o ex-padre e então deputado Manoel Pacifico na Assembleia. Foram duas pessoas muito importantes na nossa formação. É bom deixar claro que estávamos vivendo o fim da ditadura e a efervescência dos movimentos sociais. A gente foi tocado por isso. Mas, apesar de ter saído da congregação, devo revelar que a base da minha formação tem uma colaboração imensa da igreja e dos irmãos maristas”.  

Organização no interior
“Nessa luta de organização e de afirmação dos movimentos sociais do Acre a gente começou a fazer uma coisa que não era feita: organizar a luta no interior. Nos municípios havia uma espécie de conservadorismo, timidez e até de muita pressão para que as pessoas nem se sindicalizassem. Era uma luta convencer alguém a assinar uma ficha de filiação no sindicato”.

Primeiras eleições
“Foi nessa luta de organização que virei o primeiro presidente da Associação de Professores de Tarauacá. Ao retornar para Cruzeiro do Sul ajudei a organizar o núcleo da associação. Fui presidente durante cinco anos. No final de 1989, numa eleição histórica, consegui ser eleito presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre. Pela primeira vez alguém vindo de um município, disputando com as lideranças consolidadas como a professora Almerinda Cunha, era eleito”.

Mudança para capital
Para assumir o Sindicato dos Trabalhadores em Educação tive que me deslocar de Cruzeiro do Sul para morar em Rio Branco. Estava recém-casado. Foi um verdadeiro desafio na minha vida. Eu não conhecia a capital. Tinha vindo para participar de congressos. Tinha vindo umas quatro vezes. A mudança era para dirigir o maior sindicato do Estado. Foi um momento desafiador, de políticas muito conservadoras aqui no nosso Estado”.

Primeira disputa de deputado
“Depois que sai do Sinteac fui candidato a deputado estadual. A Frente Popular estava num processo de começar a se consolidar no Estado como uma força nova na política. Era um movimento que estava ajudando a construir esse caminho novo da mudança no Acre. Jorge Viana era prefeito da capital e o Tião Viana concorreu ao governo. Dentro do PC do B tínhamos dois candidatos: o Sérgio Taboada e eu”. 

Uma tragédia
“Naquela eleição de 1994, o Taboada pleiteava a reeleição e conseguiu. Eu era o candidato dos municípios. Foi uma eleição interessante, mas trágica para mim. Foi quando perdi por um voto. Naquela época a votação era manual. Ficamos procurando nos boletins o voto que não apareceu na conta. E ele não apareceu nunca”.

Valor ao voto
“Aquela eleição foi uma aprendizado porque comecei a dar valor a um voto. Há políticos que gostam de dar valor a muitos votos. Eu percebi que você só chega a mil se houver a soma de um por um. Você nunca chega à grande quantidade se não houver a soma das unidades. É uma coisa normal, mas muitas vezes a gente não percebe”.

Valor aos apoios
“Dou muito valor aos apoios que recebo. Dou valor aos pequenos apoios. É a soma dos pequenos apoios que constrói uma grande vitória”. 

Liderança na Aleac
“Os oito anos de liderança do governo na Assembleia Legislativa foi uma verdadeira escola. A partir de 1999 não passamos a viver apenas uma transição, que depois se transformou numa reconstrução para chegar a uma afirmação da Frente Popular e da política do Acre. A gente não estava vivendo apenas uma mudança da nossa política: tivemos que mudar o nosso jeito de olhar e de perceber”. 

Comportamento político 
“Quando chegamos ao governo tivemos que mudar no nosso comportamento político. Nós vínhamos de uma trajetória de comportamento de luta popular, luta sindical e de posicionamento oposicionista. Éramos especialistas em dizer não. No governo, passamos a ter obrigação de ser propositivos e começar dizer sim. De mudar atitudes e de ter outro olhar. De assumir novas responsabilidades e ter novas atitudes”.

Luta intensa
“O início do governo Jorge Viana, em janeiro de 1999, também foi o início de uma luta intensa no Estado do Acre. Tínhamos várias frentes para atuar. Tivemos que resgatar as instituições, que viviam na ilegalidade. Havia uma luta pela legalidade que envolvia muitas coisas. Envolvia mudança de comportamento e de atitude. Combate a vícios na administração pública. Não era algo simples de ser feito. A gente não tinha experiência de fazer. Tivemos que consertar a aeronave em pleno voo”. 

Vocação para mediação
“Eu sempre tive a vocação da mediação. Sempre fui duro nos meus posicionamentos porque sempre tive lado. Não gosto de esconder a minha convicção. Nunca gostei de esconder um posicionamento. Não gosto de ter o comportamento do ‘murista’. Sou contra aquele que gosta de sugar a posição do outro para depois ter a sua posição. Sempre tive uma posição para confrontar, mas sempre estive aberto a construir uma nova posição. Não sou o dogmático, o fechado, o cego, o da cartilha”. 

Construção da governabilidade
“Esse meu comportamento de procurar a mediação política fez com que o governador Jorge Viana me chamasse para ser o líder do governo num momento de confragação da política. O resultado da eleição foi uma sinalização da mudança que a sociedade queria, mas mudamos o Executivo sem haver a construção da governabilidade”. 

Timoneiro da mudança
“Elegemos um governo num momento de fracasso da elite conservadora que governava o Estado. Esse fracasso se deu pelo desgaste profundo do que foi acumulando ao longo das décadas. Foi um fracasso político e administrativo, e o povo resolveu fazer mudança. Jorge Viana incorporou, materializou e personificou todo esse sentimento. Ele foi o grande timoneiro das mudanças. Só que não havia as condições da governabilidade”.

Base frágil
“A base de sustentação na Assembleia era frágil e reduzidíssima. Era necessário construir a cada semana, a cada batalha, a cada sessão, uma maioria. Tínhamos que fazer isso utilizando o instrumento do verbo. Foi algo verdadeiramente novo na construção de maioria. Começamos a construir um método e um jeito novo. Isso foi um aprendizado muito grande para mim”. 

A boa nova
“O Jorge Viana foi a boa nova que tivemos na política do Acre. Jovem cheio de sonhos, ele trouxe para o nosso movimento a visão de que é possível sonhar as causas mais avançadas e incorporar as bandeiras mais progressistas tendo uma postura ampla. Essa química da amplitude política com bandeiras mais avançadas não havia sido incorporada no nosso movimento de esquerda do Acre. Por isso a gente sempre encontrava a balsa como maior companheira nas eleições”. 

Jorge, amigo e irmão
“Comecei a conhecer o Jorge Viana como governador por conta da atividade de líder de governo. O Jorge se transformou no meu irmão mais velho. A nossa relação não é de mando e de orientação. É de alguém que sempre chama para o diálogo, o debate, a conversa. Tivemos centenas de reuniões e hoje ele é o melhor amigo que tenho no Acre. Aprendi muito com ele”.

Gestor do coletivo
“Na tarefa de presidente da Assembleia Legislativa eu tive que me transformar num gestor do coletivo, a partir do ponto de vista da gestão política da casa. Nessa função, mesmo tendo lado, você tem que garantir que o todo seja tratado com democracia”. 

Imagem diferente
“O maior desafio na presidência da Assembleia Legislativa foi provar que, mesmo sendo da política, eu tinha capacidade de ser um bom gestor. Foi um desafio montar uma equipe e compartilhar com ela as responsabilidades. Trabalhamos para que a casa da política tivesse uma imagem diferente. Que não fosse uma casa apenas da arenga, da disputa e às vezes da confusão política”.

Assembleia Aberta 
“Precisávamos inovar, nos deslocar e ficar mais pertos dos problemas das comunidades. Foi ai que nasceu o Programa Assembleia Aberta para que, a partir daí, a gente pudesse ter uma espécie de choque de realidade no próprio Parlamento. A gente descobriu que mais de um terço dos nossos deputados não conhecia o Estado do Acre todo. Faltava uma visão dos vinte de dois municípios. Todo mundo representava apenas uma parte e se contentava com essa parte. Isso ajudou a ter uma visão de conjunto. Percebemos que tem muitas medidas simples que podem ser tomadas para resolver problemas. O parlamento dialogou”.

Política de integração
“A aproximação com os nossos vizinhos é fundamental. O Acre deixou de ser fim de linha com a construção da Estrada do Pacifico, Vamos nos tornar uma espécie de engrenagem do nosso país com o mundo. A Assembleia investiu muito no programa de integração. Acho que temos muito a caminhar com isso. Estamos nos descobrindo como vizinhos de países irmãos como o Peru e a Bolívia”. 

Desafios grandes
“Gosto de desafios grandes. Nunca gostei de ficar pensando miúdo, mas sempre gostei de dar passos firmes. Gosto de tomar decisões quando estou cem por cento convicto. Nunca fui aventureiro. Não gosto de fazer a coisa de qualquer jeito. Enfrentar desafios e diferente de ter atitude de aventura”.

Convite da Frente Popular
“O convite feito pela Frente Popular para concorrer ao Senado e o diálogo com os dirigentes dos partidos é motivo de muito orgulho. Acho que tenho as condições de bem representar o Acre. Eu amadureci na minha vivência e na minha convivência com o Parlamento. Fiquei mais experiente com a minha experiência no processo de construção do nosso movimento político”.
 
Chapa comprometida
“Estar numa chapa com o Tião Viana, César Messias e Jorge Viana é motivo de orgulho para qualquer acreano. Estar num movimento deste tamanho lhe confere muita responsabilidade. Temos uma chapa comprometida com o Acre”. 

Campanha inovadora
“O desafio será construímos uma campanha inovadora, mantendo um dialogo com a comunidade. Temos no Acre um eleitorado muito exigente e qualificado. Esse eleitorado é fruto de um movimento político que estamos construindo de 1990 para cá. Temos uma média de eleitorado de alta consciência e de alta responsabilidade política. É por isso que a política do Acre tem mudado tanto”. 

Uno no Senado
“O diálogo com o eleitorado será inovador se conseguirmos passar a importância de o Acre ser uno no Senado da República. Uno não significa ser monolítico. Significa que vai ter uma união na ação política. De que o Acre é a principal causa da bancada no Senado e não o partido do fulano ou o movimento do sicrano”. 

Acre como causa
“O Acre será a causa da nossa atuação no Senado. As coisas do Acre serão a bandeira central. O desenvolvimento do Estado será a questão principal. Defendemos um projeto de desenvolvimento centrado na nossa cultura e na nossa identidade”. 

Importância da Floresta
“Somos um Estado que teve e tem na floresta a construção da sua identidade. Foi a seringueira que fez com que tivéssemos uma revolução e o Acre virasse Brasil. Devemos encontrar na floresta um jeito de agregar valor, industrializar, gerar empregos e conquistar a independência financeira. Isso, no centro do debate de uma bancada no Estado, pode fazer com que tenhamos um grande salto de qualidade”. 

Parto coletivo
“A eleição de um candidato majoritário é cem por cento dependente do esforço coletivo. Sou fruto do coletivo porque venho atuando dessa forma desde 1990 quando construímos a Frente Popular. A minha eleição para o Senado vai ser um parto coletivo”. 

Governo Binho
“O governo e o governador Binho Marque são duas coisas extraordinárias que estão acontecendo no Acre porque conseguiram consolidar a fase da reconstrução política e administrativa que o Jorge Viana iniciou. Ele estabeleceu política e programas de inclusão, que vão marcar profundamente o seu governo e vão elevar todos os índices de desenvolvimento do Estado”.

Censo do IBGE
“Quando tivermos os índices do censo do IBGE iremos constatar que o Acre estará disputando boas posições no Brasil nas diversas áreas. Tenho absoluta certeza disso porque há programas consistentes em execução. São programas para todos. Temos um governo equitativo. O Binho põe mais onde mais precisa. Ele não trata igual, trata diferente”.

Pequenas e grandes obras
“O Binho nos surpreendeu porque fez milhares de pequenas obras, mas fez dezenas de grandes obras. As condições econômicas são favoráveis. A viabilidade dos oitos anos de Jorge Viana nos credenciou para dar um grande salto. Esse grande salto se materializa nos números, ao ponto de, nos quatro anos do governo Binho, termos o dobro de investimento em relação ao do Jorge. Temos um governo que marcará profundamente a administração pública do Estado”. 

Capitulo novo
“O Tião Viana vai representar o capitulo novo que o Acre precisa vivenciar. Ele vai avançar ainda mais na construção da infraestrutura. Vamos terminar ter este ano com a Estrada do Pacifico concluída. A BR-364 só depende de verão para ser concluída porque há dinheiro para a obra. Esse capitulo novo será a fase da independência econômica do Estado por meio da industrialização. Será a fase da geração dos empregos fora da administração pública, do fortalecimento da nossa economia floresta e sustentável”. 

Experiência única
“Estamos quebrando paradigmas. Somos uma experiência única no Brasil. Não existe nenhuma experiência de uma aliança política de vinte anos no país que chegue no dia da convenção e você olhe para um plenário cheio de gente animada. Tinha pessoas de cabelos grisalhos que estavam na convenção de 1990 e centenas de jovens gritando, pulando e com o sorriso largo”. 

Projeto com identidade
“O segredo é a causa. Nós estamos numa aliança não disputando poder. Estamos num projeto de desenvolvimento para o Acre. Esse projeto tem identidade política, ideológica e programática. Esse algo que nos junta é a causa do Acre. Isso faz com que projeto com projeto menores, individuais, desejos legítimos, sonhos sejam adiados em função de uma coisa mais coletiva”.

Novo no conteúdo
“Somos novos no conteúdo. A Frente Popular é o movimento político que mais renovou a política do Acre. Nesses vinte anos tivemos uma renovação completa da representação política do Estado nas câmaras de vereadores, na Assembleia Legislativa, nas prefeituras, na Câmara Federal e no Senado da República”. 

Oposição sem renovação
Os que fazem oposição ao nosso projeto não renovaram e nem inovaram. Um dos maiores exemplos de renovação de quadros no nosso movimento foi a aposta ousada no prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim. É o governador Binho Marques...”. 

Várias lideranças
“Não temos dificuldades de catar lideranças. Para a vaga que vou disputar para o Senado, por exemplo, temos vários nomes com as condições de enfrentar a disputa. Não dependemos apenas de um nome para construir um projeto. Enquanto tivemos a causa no comando, nós vamos conseguir com que as pessoas sejam contagiadas e alimentadas com bandeiras novas e renovem as esperanças de um Acre novo”. 

Vale do Juruá
“O Vale do Juruá tem uma comunidade que foi muito sacrificada pela política, desde o Movimento Autonomista. A região onde eu nasci precisa ser compreendida. O Juruá tem uma teimosia positiva porque gosta de se afirmar”. 

Namoro, noivado e casamento
“Na convenção em Cruzeiro do Sul eu fiz uma afirmação que faço questão de repetir: O Jorge Viana iniciou um forte namoro da Frente Popular com o Juruá. O Binho Marques consolidou o namoro e fez o noivado. Hoje Cruzeiro do Sul e os demais municípios da região recebem os maiores investimentos do governo. O Tião Viana vai consolidar um grande casamento. Uma das grandes novidades dessa eleição será a nossa vitória no Juruá”. 

Nauas na Série D
“O Nauas faz parte dessa fase nova que o Juruá está vivendo. O Juruá está se vendo na foto, inclusive no futebol. Vai estar na foto da Frente Popular com a chapa majoritária distribuída meio a meio, sendo representada pelo César Messias e por mim. Nós vamos passar da Série D para a Série C”.



[Fonte:  página20.com.br]