CONTATO: gomesaccioly@gmail.com - 68 99775176

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Veja quem foram e são os melhores e os piores prefeitos do Acre


O encerramento do exercício financeiro de 2009 pelas administrações das prefeituras dos 22 municípios acreanos serviu para desmistificar algumas lendas da política iniciadas logo no início do ano, quando alguns prefeitos e prefeitas pareciam no fundo do poço e outros davam sinais de que a partir dali iriam alçar voos bem mais altos. Os casos mais emblemáticos nos casos em que se pode aquilatar quem melhor ou pior se saiu em termos de administração municipal em 2019 são os da prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB); de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (Progresssistas); da de Brasileia, Fernanda Hassem e de Sena Madureira, Mazinho Serafim (MDB).

Os três primeiros estavam na lista dos que pegaram suas cidades cheias de problemas e poucos apostavam que, ao final deste ano, eles chegassem tão bem ao ponto de serem favoritos na corrida sucessória. Já o terceiro, que também é candidato à reeleição, que iniciou o ano jactando-se de ser um administrador diferenciado por vir da iniciativa privada, chega ao final do ano ostentando o título, por certo sem nenhum orgulho, de o pior prefeito do Acre.

Tarauacá e Capixaba: todos no mesmo barco da incompetência

Outros prefeitos, como Marilete Vitorino (PSD), de Tarauacá, que começaram o ano ruim, continuam de mal a pior. Nesta lista pode se incluir o prefeito de Capixaba, “Joaozinho” (MDB), que não terá que se esforçar muito para entrar nas listas de os piores prefeitos do Acre, ao lado de Marilete Vitorino e Mazinho Serafim. A situação da prefeita taracauense, que deve desistir de ser candidata à reeleição, é tão difícil, mesmo que ela tenha conseguido pagar os salários de dezembro e 13º dos servidores, que seus aliados, como o senador Sérgio Petecão, presidente de seu Partido, querem passar longe dela. Situação semelhante à de Capixaba. Depois das trapalhadas do prefeito “Joaozinho”, que teve duas secretárias municipais e gente de sua confiança presas pela Polícia Federal por desvios de recursos públicos, que ele acabou por demiti-las, os cardeais do MDN têm evitado o município, mesmo que ali seja passagem obrigatória para quem vai para o Alto Acre – os dirigentes do MDB têm evitado parar em Capixaba até mesmo para um lanche ou um cafezinho nas tradicionais lanchonetes da cidade, nas quais lancham pessoas que saem de Rio Branco especificamente para isso ou só para tomar café da manhã de tão gostoso que são os produtos lá oferecidos.

Fernanda Hassem superou muitos problemas no município de Brasileia
Fernanda Hassem, de Brasiléia, a campeã em popularidade e trabalho

Por falar de novo em Alto Acre, em Brasiléia, a prefeita Fernanda Hassem, do PT, que pegou uma cidade arrasada pela enchente de 2015, uma das maiores da história e que fez um estrago tamanho que levou alguém a sugerir que ela transferisse o núcleo urbano para um ligar mais alto e refundasse a cidade, vem numa crescente, com um sucesso atrás do outro. A prefeita petista não só recuperou a cidade como pôs as contas e os serviços básicos do município, como Saúde e Educação – tudo em dias. Não é à toa que Fernanda Hassem é apontada por especialistas como a melhor prefeita da atual safra de administradores municipais e candidata à reeleição imbatível, quase sem adversários.

Tião Flores, Gedeon, Zum e Ederaldo Caetano, prefeitos que não são carne nem peixe

Há, também, no caso dos prefeitos municipais que não são carne nem peixe – aqueles que, se não fizeram a revolução feita por Fernanda Hassem, fizeram o dever de casa e não estão totalmente em desgraça. Casos de Tião Flores, Epitaciolândia, e de Gedeon (PSDB), em Plácido de Castro – embora este último enfrente uma reeleição de mais de 60 por cento, segundo uma última a pesquisa de opinião pública no município. Perto dali, em Acrelândia, o prefeito Ederaldo Caetano (Progressistas), que vem pagando contas atrasadas e conseguiu pagar décimo terceiro e dezembro, apesar das dificuldades, pode entrar na lista dos que, se não fizeram muito, pelo menos não atrasaram as obrigações. Mas o prefeito vem dizendo que, se não houver socorro do Governo do Estado, e já nos próximos dias, vai ser obrigado a fechar as portas da Prefeitura e ir para casa. O prefeito Antonio Barbosa, o Zum, conseguiu pagar 13° e salário de dezembro antes do dia 23 deste mês. Também vem fazendo um esforço para pagar todos os fornecedores até este dia 31.

André Maia, Bené Damasceno e Romualdo lutam contra a segunda divisão

Perto de Rio Branco, distante 23 quilômetros da Capital, o prefeito André Maia (PSD), que esteve afastado do cargo por nove meses, está novamente se encontrando para a execução de seu plano de Governo. Mas, ao eu tudo indica, vem se recuperando ao ponto de se apresentar como candidato à reeleição. Situação semelhante, embora ele tenha cumprido o mandato desde o primeiro dia, é a do prefeito de Bujari, Romualdo, eleito pelo PC do B e agora no Progressistas. Ainda no entorno de Rio Branco, em Porto Acre, o prefeito Bené Damasceno (Progressistas), que já se declarou candidato à reeleição, acha que, apesar das dificuldades, conseguiu fazer uma boa administração e está longe de estar entre os piores. “Porto Acre tem uma característica diferente de todos os demais municípios: tem três núcleos urbanos, vilas e a cidade principal, que precisam de assistência. A logística para atender a todos tem que ser grande mas, mesmo assim, conseguimos”, disse.

Manuel Urbano, Feijó, Santa Rosa e Jordão: isolamento e dificuldades

Muito longe de Rio Branco, já em Manuel Urbano, o prefeito Tamir de Sá (MDB), que diz ter pegado o município como se uma bomba atômica tivesse sido atirada sobre a cidade, também vem se recuperando com a realização de algumas obras, como recuperação de ruas graças às emendas que vem obtendo de seus aliados de MDB. Mais à frente, em Feijó, com o prefeito Kiefer Cavalcante (PTB), verifica-se outra situação em que, se não houve avanços, o trabalho de manutenção foi mantido. O prefeito, no entanto, vem sendo bombardeado porque se declarou favorável à privatização do sistema de água e esgotos do município, o que significa que, se a ideia for aprovada, o consumo de água será cobrado por uma empresa particular. Apesar disso, Kiefer é candidato à reeleição.

De lá para Jordão e Santa Rosa do Purus, a situação é de dar dó em relação ao segundo município: o prefeito Assis Moura (PRP), não conseguiu pagar ainda o mês de dezembro, o 13º e outros encargos no município, cuja população não chega 3,5 mil pessoas. O prefeito de Jordão Elson Lima Farias (PC do B) comemora o pagamento de suas obrigações e se prepara para eleger seu sucessor, recuando a fazer a lista dos piores prefeitos.

Pianko e Barbary dizem que têm o que mostrar em seus municípios

Quem não quer entrar na lista também são outros dois prefeito dos chamados municípios isolados – Marechal Taumathurgo e Poeto Walter, respectivamente, Isaac Pianko (PP), e Zexinho Barbary (MDB). O primeiro comemora o pagamento das contas e a realização de obras como um projeto em que a população pode reciclar e trocar lixo por frutas e verduras para o consumo, um programa inédito no país. Pianko é índio da tribo dos Ashaninka, um dos poucos genuinamente indígenas a exercer o cargo executivo de prefeito no país.

Zezinho Barbary, que não pode mais de candidatar a um terceiro mandato, diz que foi um dos poucos prefeitos do Acre a pagar metade do 13º salário dos servidores em unho, na metade do ano. Por isso, chega ao final do exercício com as obrigações cumpridas e longe da lista de prefeitos de segunda divisão.

Sebastião Correia e Isac Lima acham que estão numa boa média

Em Rodrigues Alves, o prefeito Sebastião Correia (MDB), apesar de fazer uma administração eivada de denúncias de corrupção e de responder a vários processos, já pagou o 13º do funcionalismo e paga, neste 30 de dezembro, o salário do mês, informaram seus assessores.

Em Mâncio Lima, o terceiro prefeito do PT e do que restou da chamada Frente Popular do Acre, embora não faça o sucesso de sua companheira Fernanda Hassem em Brasiléia, o prefeito Isac Lima se prepara para a reeleição comemorando obras, pagamentos em dias e parcerias com o governador Gladson Cameli, adversário dos petistas. “O governador tem trabalhado conosco como um estadista, sem olhar a cor partidária”, disse. “Nós beneficiamos disso e aprovamos muitos projetos que estão sendo executados e que serão executados em 2020”, disse.

Outro petista que se não pôde alcançar Fernanda Hassem, Bira Vasconcelos, de Xapuri, também se recusa à segunda divisão. “Nós fomos o único prefeito do Acre que, mesmo com toda esta crise, concedemos aumento salarial aos nossos servidores”, disse Vasconcelos, certo de que isso o credencia a disputar a reeleição.

Prefeito Socorro Neri venceu grandes desafios em 2019
Socorro Neri e Ilderlei Cordeiro são exemplos de superação como administradores

Já a prefeita Socorro Neri, Ilderlei Cordeiro e Mazinho Serafim são a antíteses um dos outros pelas diferenças com que vão à reeleição. A prefeita de Rio Branco pegou o mandato pela metade, com a renúncia de Marcus Alexandre para disputar – e perder – o governo em 2018, pegou uma herança maldita: uma cidade quase toda esburacada, rua, feias, com problemas até na iluminação pública. Quem apostou que a prefeita não se recuperaria, perdeu: a cidade, apesar de muita ruas ainda com problemas, recuperou a autoestima do cidadão da Capital com obras como a nova Estrada da Sobral e da Antonio da Rocha Viana, a iluminação pública com lâmpadas de led e uma operação tapa buracos que trabalha de noite e de dia, em feriados e dias santos. Socorro Neri é forte candidata à reeleição. “Pelo menos no segundo turno, eu sei que já está”, disse um cientista político local.

O mesmo acontece com Ilderlei Cordeiro. Ele pegou uma cidade praticamente inviabilizada, tamanha era buraqueira nas ruas. Conseguiu recursos, fez convênios e contratou uma Organização Não Governamental para ajuda-lo no recolhimento de ruas e recapeamento de suas com um tipo de revestimento asfáltico especial. Resultado: está comemorando a recuperação da cidade, a aceitação de sua administração e é um forte candidato a permanecer no cargo.

Ilderley Cordeiro deu a volta por cima em Cruzeiro do Sul
Mazinho Serafim: o pior prefeito entre os piores do Acre

Na contramão da história e de qualquer análise está o prefeito Mazinho Serafim (MDB), de Sena Madureira, listado como um dos piores, senão o pior, da safra de prefeitos eleitos em 2016. Ao contrário de outros prefeitos, ao assumir o mandato já ganhou uma usina de asfatl zerada do então senador Gladson Cameli. Ele próprio chegou a anunciar dispor de R$ 60 milhões para obras em 2019.

Mas, apesar da fanfarronice de que seria o melhor prefeito da história do Iaco, o boquirroto vem tendo suas obras contestadas pela má qualidade, segundo vídeos feitos por moradores da cidade e enviados à imprensa com questionamentos. Além disso, ele ainda se deu ao luxo de atrasar o pagamento do 13º, dos salários dos servidores e terceirizados. O 13º está previsto para este dia 30 de dezembro, e o salário de dezembro, se sair, só em oito de janeiro de 2020.

Este ano foi um dos piores para quem mora na zona rural de Sena Madureira. Maioria dos agricultores ficou isolada, sem poder transportar suas produções. As ruas esburacas de Sena Madureira também vem revoltando os moradores.

Por conta das trapalhadas, se houvesse um concurso sobre quem é o pior prefeito do Acre, Mazinho Serafim, que é candidato á reeleição, seria o escolhido com méritos, muitos méritos. Muitos servidores públicos, que não receberam o 13º nem o salário de dezembro, viram seus filhos passarem a noite de Natal sem ceia, muitos com fome, conforme denúncia do deputado Gerlen Diniz.

Isso deve custar caro ao prefeito quando vier a campanha eleitoral.

TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

TARAUACÁ:MENSAGEM DA VEREADORA JANAINA FURTADO


"Em 2020 a gente se encontra novamente na construção de novos sonhos e grandes lutas".

Feliz Ano Novo

Janaina Furtado
Vereadora

ANGÉLICA PAIVA: Saiba quem são os piores políticos do ano eleitos pela imprensa acreana


E o prêmio Framboesa Acreana para os piores do ano goes to...

Senador - A disputa foi embolada. O que significa que para os jurados, nenhum dos três vai bem. Mesmo assim por uma pequena margem de diferença ( dois votos, o que numa pesquisa daria empate técnico), entre Mailza Gomes ( PP) e Márcio Bittar ( MDB), o prêmio ficou com o medebista.
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para o senador Márcio Bittar.

Deputado federal -Aqui também a diferença de apenas um voto garantiu o prêmio para Manoel Marcos ( PRB) que quase empatou com Vanda Milani ( Solidariedade) e Alan Rick ( DEM). Jesus Sérgio ( PDT), Flaviano Melo ( MDB) e Perpétua Almeida ( PCdoB), também pontuaram. Apenas Jéssica Sales ( MDB) e Mara Rocha ( PSDB), não foram citadas. O que significa que não tiveram votos negativos.
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para o deputado federal Manoel Marcos.

Deputado Estadual - O pior deputado estadual, segundo a votação, foi Wendy Lima ( PSL), embora tenha ganhado por apenas um voto de Gérlen Diniz ( PP) e Roberto Duarte ( MDB). Antônio Pedro ( DEM), Chico Viga ( PHS), Neném Almeida ( Sem partido), José Bestene ( PP), Josa da Farmácia ( PODEMOS), Marcus Cavalcante ( PTB) e Wagner Felipe ( PL), também pontuaram. O que significa que 10 dos 24 parlamentares estaduais não estão bem, segundo a avaliação dos jurados. Os que não foram nominados não tiveram nenhum voto negativo.
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para Wendy Lima.

VereadorA escolha do pior vereador foi a mais difícil. Os votos foram pulverizados entre 8 dos 17 vereadores, o que significa que na avaliação do júri do Prêmio, metade dos vereadores da capital não corresponde à expectativa. Numa disputa acirrada entre Clézio Moreira ( PSDB) e N-Lima ( PSL), o tucano levou a melhor, ou a pior no caso. Laércio da Farmácia ( PRB), Elzinha Mendonça ( PDT), Raimundo Neném ( PHS), Railson Correia ( PODEMOS), Juruna ( PSL) e Emerson Jarude ( Sem partido) também pontuaram. Os que não foram citados não tiveram votos, o que nesse prêmio significa avaliação positiva.
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para o vereador Clézio Moreira.

Prefeito - Essa foi fácil. Marilete Vitorino ( PSD), prefeita de Tarauacá ganhou disparado o troféu de pior prefeita do ano. Mazinho Serafim ( Sena Madureira), Socorro Néri ( Rio Branco), Gilson da Funerária ( Senador Guiomard), Ilderlei Cordeiro ( Cruzeiro do Sul) e André Maia ( Senador Guiomard), também pontuaram negativamente.
O Prêmio Framboesa do Acre 2019 vai para a prefeita Marilete Vitorino de Tarauacá.

Personalidade - Mônica Feres, ex-secretária de Saúde, ganhou disparado o prêmio de pior personalidade do ano, embora o empresário Luciano Hang ( Véio da Havan) e o ministro da Educação Abraham Weintraub além dos locais José Adriano ( Presidente da Fieac), Paulo Wadt, ex- secretário de Agricultura, coronel Ulisses, comandante da PM, e o governador Gladson Cameli também tenham pontuado negativamente.
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para Mônica Feres.

Político - Esse foi outro quesito em que praticamente não houve disputa. Os jurados apontaram para o presidente Jair Bolsonaro ( Sem Partido), como o pior político de 2019. Bolsonaro ganhou disparado, mas Lula ( PT) e Guilherme Boulos ( PSOL) também pontuaram, assim como Mazinho Serafim ( MDB) e Jarbas Soster ( Cidadania).
O Prêmio Framboesa Acreana 2019 de pior político do ano vai para Jair Bolsonaro.

Decisão Nacional

Também praticamente sem disputa, a Reforma da Previdência foi apontada como a pior medida do ano, embora os cortes de verbas para a Saúde e Educação, a Reforma Trabalhista, a tentativa de fazer do deputado federal Eduardo Bolsonaro ( filho do presidente), embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o decreto das armas a aprovação do Fundo Eleitoral e a escolha de Abraham Weintraub para chefiar o ministério da Educação, também tenham pontuado negativamente.

O Prêmio Framboesa Acreana 2019 vai para a Reforma da Previdência.

Decisão Estadual - Também em âmbito estadual a Reforma da Previdência foi considerada disparado, a pior decisão do ano, mas as votações da LDO e da LOA, as votações sem ampla discussão, " goela abaixo", e o governo não dar espaço para novas empresas e continuar trabalhando com as que já trabalhavam com os governos anteriores também pontuaram.

O Prêmio Framboesa Acreana vai para a Reforma da Previdência Estadual.

Opiniões - Registrei algumas opiniões dos nossos jurados que compartilho aqui com vocês.

*Marcio Bittar (disparado: o esforço de fortalecer e negar o aquecimento global é de uma falta de inteligência absurda. Uma tentativa piegas de querer ser o "diferentão" sem ter conteúdo convincente.

*Paulo Wadt (pela nulidade que foi a passagem dele pela Secretaria de Produção).

*Pastor Arnaldo Barros-nao sabe se prega o evangelho ou faz campanha para vereador.

Detalhes - 
* A bancada feminina da Assembléia Legislativa está em festa. As quatro deputadas saíram do concurso ilesas. Nenhum voto contra elas.

* Senador Guiomard colaborou com o prêmio de pior prefeito colocando dois na disputa- o afastado e retornado André Maia ( PSD) e o interino Gilson da Funerária ( MDB).

* Os nenéns não estão bem na fita. Nem na Assembléia Legislativa nem na Câmara de Vereadores. Os dois pontuaram na lista dos piores ( Neném Almeida e Raimundo Neném). Pode estar na hora de crescer.

Explicação

O Prêmio Framboesa Acreana é uma brincadeira e não reflete a opinião da colunista e sim dos jornalistas que colaboraram voluntariamente. O resultado se refere apenas ao ano de 2019. 2020 poderá ter um resultado bem diferente. Cuide para não aparecer de novo.

Bom dia coletivo a todos os que não tiveram os nomes na coluna de hoje porque escaparam da lista dos piores.

Por Angélica Paiva
Notícias da Hora

TARAUACÁ: Prefeitura sorteia IPTU Premiado 2019


Nesta segunda-feira, 30 de dezembro de 2019, a Prefeitura de Tarauacá realizou o sonho do contribuinte em ganhar prêmio no sorteio da 2ª Campanha IPTU Premiado, realizada na gestão da Prefeita Marilete Vitorino. 

O sorteio aconteceu ao vivo, transmitido pelas redes sociais, além dos portais de notícias, com a supervisão do Setor de Tributos do Município. 

 A retirada do cupom premiado foi feita por duas crianças. 

O prêmio foi uma motocicleta Biz 110i cor branca ano 2019. A ganhadora da Moto foi Sandida Maria V. Freitas, da Rua João de Paiva, 720, Centro. 

O Secretário de Finanças de Tarauacá, Raimundo Vitorino, enalteceu o sucesso do evento e lembrou que a exemplo de 2018, a premiação aconteceu de forma séria e transparente. "Conseguimos fazer o sorteio com o acompanhamento do público, sendo também transmitido ao vivo pela Comunicação da Prefeitura e graças a Deus ocorreu tudo dentro da normalidade. Não tivemos problemas com nenhum dos cupons, todos foram acompanhados pelos os fiscais que obedeceram ao decreto do sorteio do IPTU ", avaliou. 

Para a Prefeita de Tarauacá, Marilete Vitorino, a premiação é uma forma de recompensar o contribuinte que paga seu tributo em dia. "A premiação é uma forma de reconhecimento e nosso agradecimento é para os contribuintes que estão com o IPTU em dia, pois é um dos únicos impostos que fica de forma integral no município. É através do pagamento dos impostos que eles contribuem com o desenvolvimento da nossa cidade", ressaltou a Prefeita Marilete. 

Sobre O Programa IPTU Premiado 2019 foi instituído pela Lei Municipal n° 793, de 05 de fevereiro de 2014 que autoriza a realização da Campanha Municipal de Arrecadação “QUEM PAGA O IPTU GANHA PRÊMIOS”; e regulamentado pelo Decreto 022/2019, de 12 de março de 2019. 

O principal objetivo é auxiliar na captação de receita pública municipal.

Assecom/TK

TARAUACÁ: JOGO DAS ESTRELAS DE TARAUACÁ 2019 MOVIMENTA ESTÁDIO NABORZÃO


O Jogo das Estrelas 2019 aconteceu neste domingo, a partir das 16h em Tarauacá, no Estádio O Naborzão. Grandes jogadores que já fizeram história no futebol tarauacaense participaram do jogo comemorativo.

Eles jogaram por grandes equipes de nosso futebol e puderam se encontrar mais uma vez para a prática desportiva: Zé Anaão, Sayro, Neto Gaudêncio, Neto Moura, Josman Neri, Assi, Bayma, W.Radames, Jairo Carvalho, Rubenício, Cristovão, Manoel Monteiro, Robério, Saraiva e Lindomar Pires.

“Foi um momento especial. Havíamos marcado esse encontro para celebrar nossas amizades e poder reencontrar velhos amigos. Jogar com eles outra vez, foi uma emoção especial.” Disse Josman Neri.

O jogo foi repleto de belas jogadas e com muitos gols. Foram duas gerações do nosso futebol de Tarauacá que puderam se encontrar nos gramados do estádio O Naborzão, antes da reforma que acontecera no início do ano de 2020.

Blog do Kbym

TARAUACÁ: Vereador Lauro Benigno cobra da prefeitura reconstrução de trapiche sobre o Igarapé Buchão


Atendendo reivindicação de moradores do Bairro Triângulo, o sobre o Igarapé Buchão. O pedido do parlamentar é fruto de uma reunião com moradores da Travessa Edgar Oliveira e representantes da Associação de Moradores do Bairro, realizada na tarde da última sexta feira.

“O trapiche já não oferece mais condições de trafegabilidade aos moradores. É um risco para crianças, pessoas idosas, mulheres gravidas e toda a comunidade. Já tivemos pessoas que caíram devido a essa condição. Marcamos uma nova conversa e nos propomos a convidar um representante da prefeitura para verde perto a situação e buscar uma solução”, disse Lauro.

Outra reivindicação da comunidade é a questão do “Igarapé Buchão” que segundo eles há tempos a prefeitura não promove a limpeza e em decorrência disso a água fica represada causando enormes transtorno aos moradores.

(assessoria)

“Ainda não sabemos qual é o governo de Gladson”, diz Edvaldo Magalhães


Ao analisar primeiro ano de Cameli no comando do governo do Estado, o deputado do PCdoB destaca os principais erros da gestão progressista. “O governo tem um time nomeado, que não se entrosa e está em permanente disputa”, argumentou.

O hoje deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) até 2018 era uma espécie de vidraça nas gestões da Frente Popular. Ele respondia como diretor-presidente do Depasa e sua gestão sempre foi bastante criticada no ponto de vista político e até mesmo técnico, mas na virada de 2018 para 2019, se elegendo deputado estadual com 6.662 votos, acabaria, automaticamente, se tornando um dos principais porta-vozes da nova oposição que havia governado o Estado nos últimos 20 anos e consequentemente ele deixaria de ser vidraça para ser uma pedra…e que pedra!

Atualmente com 54 anos, 34 deles dedicados à militância política no Partido Comunista do Brasil, Edvaldo é um dos poucos parlamentares da Assembleia Legislativa do Acre – pode até ser dizer o único -, a dominar como ninguém o regimento interno da casa, tanto que com uma visão singular sobre as regras do jogo minou várias vezes neste ano os trabalhos “ do rolo compressor” da base do governo.

O ac24horas convidou Magalhães para que ele opinasse sobre o primeiro ano da gestão de Cameli. Sempre solicito, o deputado pediu alguns dias para pensar já que cumpria uma série de visitas a vários municípios do interior. “É muita coisa para organizar”, brincou.

Questionado que de volta e meia o governador Gladson Cameli vocifera na imprensa que a sua gestão “já deu certo”, Magalhães pondera: “Uma frase de efeito que está em desencontro com a vida cotidiana. Ainda não sabemos qual é o governo de Gladson. Está por vir?”, indagou.

Presidente da Assembleia Legislativa em duas oportunidades durante o governo de Binho Marques, Magalhães considera que o governo de Cameli ainda não se compôs ao lembrar da Reforma Administrativa chancelada pelo atual governo aprovada no último mês de gestão do ex-governador Sebastião Viana com a diminuição excessiva de cargos comissionados a extinção de secretarias chaves.

“A primeira reforma caiu antes dos primeiros cem dias. De lá pra cá duas novas foram encaminhadas. Um ano e o governo ainda está batendo cabeça sobre seu melhor formato. 25% do tempo já foi. Com o excesso de reformas queimou o falso discurso do enxugamento da máquina e prioridade aos servidores de carreira. A maquininha de nomeações não parou de trabalhar. O governo tem o direito de definir seu melhor desenho e arranjo administrativo, sempre defendi isso. Mas ele [Gladson] está dando voltas e não define um formato”, frisou Magalhães.

Sobre os últimos acontecimentos envolvendo supostos desentendimentos no primeiro escalão do governo de Gladson, até mesmo com a possível saída do secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, Edvaldo é categórico: “É público que não há uma equipe de governo afinada com um programa e liderada por um núcleo político unificado. O governo tem um time nomeado, que não se entrosa e está em permanente disputa. O fatiamento levou a dispersão. O que os unificava até a vitória eleitoral era o “fora PT”. Depois não botaram nada no lugar. Prevalece, portanto, a disputa por espaços de poder e quem influencia mais os rumos do governo. O ambiente respira disputa mesquinha. Isso está atrapalhando a gestão. PSDB, MDB, PP e PSD têm planos diferenciados. Constroem 2020 com o olhar espichado para 2022. A conta não fecha. Não há vagas suficientes para tantos desejos. Isso explica as escaramuças públicas. No bastidor virou luta fratricida”, argumentou.

Magalhães ressalta ainda que em um ano a assembleia não recebeu o prometido conjunto de propostas que remodelaria a nova política de produção. “O anunciado e milagroso programa de fomento ao agronegócio não saiu do pendrive do Paulo Wadt. Ao ser exonerado levou consigo. Permanece o vazio”, destacou.

O deputado comunista ainda lembrou os episódios dos vetos. Em setembro deste ano, por 20 votos a favor e nenhum contra, em sessão histórica, que durou cerca de sete horas, os deputados derrubaram todos os oito vetos do governador Gladson Cameli (Progressistas) a projetos apreciados, votados e aprovados pelo plenário do Poder Legislativo. O mais emblemático deles foi o que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias que afeta diretamente os repasses constitucionais aos Poderes, Ministério Público, TCE e Defensoria Pública. Na época, para governistas e oposicionistas, o governo não deixou alternativas à assembleia que ficaria desmoralizada se não derrubasse os vetos. Logo em seguida, os vetos foram promulgados pelo presidente Nicolau Junior e consequentemente uma crise foi instalada, principalmente com a decisão do governador Gladson Cameli de mandar exonerar mais de 340 cargos comissionados ligados aos deputados da base e até mesmo com a judicialização da LDO que tramita no Tribunal de Justiça.

“O episódio dos vetos marcou um novo tento na relação política. Os falcões venceram a disputa interna no entorno do governador. Foi um espetáculo de horrores. A chantagem política foi publicada no Diário Oficial. Revelou-se as entranhas dos acordos familiares da base. Numa inédita forma de disciplinar. Ganhou no voto, perdeu o encanto. Ficaram mágoas e ressentimentos que já começaram a dar sinais de vida. O rolo compressor virou rotina e a disputa saiu do terreno da racionalidade política para adentrar os corredores dos tribunais. Perdeu a mediação política, venceu a intolerância. Para um primeiro ano de governo é um mau sinal”, explicou.

Outro momento lembrado por Magalhães foi sobre a Reforma da Previdência aprovada na Assembleia. “A Reforma da Previdência foi reveladora dos métodos novos adotados. Se grevar, justiça. Se manifestar, polícia. Rasgou-se o véu. O governador simpático que descia as escadarias do palácio para ouvir os manifestantes foi substituído pela grades e forças de segurança. Mais uma vitória dos falcões. Isolaram o governador do conjunto dos servidores e ativistas que mais o apoiaram. A gritaria é geral”, frisou.

Magalhães ainda lembra o discurso dos opositores aos governos da Frente Popular de que o Estado estava inviabilizado por causa de empréstimos, sendo que a gestão de Gladson em menos de 365 dias, já teve aprovado na Aleac quatro operação de créditos. “Caiu por terra o falso discurso de que o Acre estava inviabilizado devido empréstimo feitos. Os três novos pedidos apresentados pelo governo, aprovados com meu voto, é a demonstração clara que o discurso da campanha não batia com a verdade dos fatos. Quem está quebrado não tem capacidade de endividamento. O plenário silencia quando esse debate surge. Temos convicção de que o investimento público é mola essencial para alavancar a economia. Por isso o voto favorável sempre. Antes e agora”, ratificou.

O parlamentar enfatiza ainda a “desastrosa tentativa de fazer um experimento” na gestão da Saúde. “A vinda da junta militar [Mônicas Feres e seus coronéis] atrasou em um ano qualquer possibilidade de consolidar uma equipe para enfrentar os graves problemas do setor. De lambuja destruiu o discurso de valorização da prata da casa. Dinheiro tem, falta gestão”, lembrou o comunista.

Sobre segurança pública, Edvaldo é menos ácido do que o comum e ressalta o trabalho que vem sendo feito pela cúpula de segurança. “É perceptível o esforço que o governo está fazendo na área da segurança. Não vou cobrar resultados imediatos pela simples convicção de que o problema é complexo. O crime mudou de patamar e o país não se modernizou para combatê-lo à altura. Humildade nessas horas ajuda. A sensação de segurança não será alcançada por decreto ou declarações bem-intencionadas”, ponderou.

O discurso de equilíbrio fiscal do atual governo, segundo Edvaldo, não condiz com as movimentações internas de não colocar dinheiro para circular, principalmente na construção civil com as grandes obras que geram emprego e renda. “Há um esforço para buscar o equilíbrio fiscal, sonho de todo governante. Todo início de governo e principalmente início de ciclo, é sempre mais possível alcançar resultados. Se o pisar no freio dos gastos é prudência necessária para sair do atoleiro do déficit, não se pode relaxar na execução dos programas que possuem dinheiro carimbado. Segurar a fonte 100 foi fundamental para honrar as contas. Não executar a fonte 400 e 500 tem sido a pá de cal para o setor da construção civil e toda a cadeia produtiva. Há uma baixa capacidade de execução. Esvaziaram as equipes técnicas de forma abrupta. Não botaram no lugar algo minimamente razoável. Estão batendo cabeça”, pontuou.

Fonte: AC24Horas

A ética kantiana em poucas palavras: a filosofia moral de Immanuel Kant


Por Emrys Westacott

Para entender a filosofia moral de Kant, é crucial entender antes de tudo o problema com o qual ele, como outros pensadores da época, estava tentando lidar. Desde tempos imemoriais, as crenças e práticas morais das pessoas foram baseadas na religião. Escrituras como a bíblia ou o Alcorão estabelecem regras morais que foram pensadas para serem transmitidas por Deus: Não mate. Não roube. Não cometa adultério, e assim por diante. O fato de as regras terem vindo de Deus lhes deu autoridade. Não eram apenas uma opinião arbitrária de alguém: davam à humanidade um código de conduta objetivamente válido. Além disso, todos tinham um incentivo para obedecê-los. Se você “andasse nos caminhos do Senhor”, você seria recompensado, nesta vida ou na próxima. Se você violasse Seus mandamentos, você seria punido.

Com a revolução científica dos séculos XVI e XVII e o grande movimento cultural conhecido como o Iluminismo que se seguiu, surgiu um problema para esse modo de pensar.


Simplificando, a fé em Deus, nas escrituras e na religião organizada começou a declinar entre a intelligentsia – isto é, a elite instruída. Esse é o desenvolvimento que Nietzsche descreveu como “a morte de Deus”. E isso criou um problema para a filosofia moral. Pois, se a religião não foi o fundamento que deu às nossas crenças morais sua validade, que outro fundamento poderia haver?

E se não há Deus e, portanto, nenhuma garantia de justiça cósmica assegurando que os mocinhos sejam recompensados ​​e que os bandidos sejam punidos, por que alguém deveria tentar ser bom?

O filósofo moral escocês Alisdair MacIntrye chamou isso de “o problema do Iluminismo”. O problema é apresentar um relato secular – isto é, não religioso – sobre o que é a moralidade e por que devemos ser morais.

Três respostas ao problema do esclarecimento

1. Teoria do Contrato Social

Uma resposta foi pioneira do filósofo inglês Thomas Hobbes (1588-1679). Ele argumentou que a moralidade era essencialmente um conjunto de regras que os seres humanos concordavam entre si a fim de possibilitar a convivência. Se não tivéssemos essas regras, muitas das quais são leis impostas pelo governo, a vida seria absolutamente horrível para todos.

2. Utilitarismo

Outra tentativa de dar à moralidade um alicerce não religioso foi iniciada por pensadores como David Hume (1711-1776) e Jeremy Bentham (1748-1742). Esta teoria sustenta que o prazer e a felicidade têm valor intrínseco. Eles são o que todos nós queremos e são os objetivos finais que todas as nossas ações visam. Algo é bom se promovera felicidade e é ruim se produzir sofrimento.

Nosso dever básico é tentar fazer coisas que aumentem a quantidade de felicidade ou reduzam a quantidade de miséria no mundo.

3. Ética Kantiana

Kant não teve tempo para o utilitarismo. Ele achava que, ao enfatizar a felicidade, compreendia completamente a natureza da moralidade. Em sua opinião, a base para nosso senso do que é bom ou ruim, certo ou errado, é a nossa consciência de que os seres humanos são agentes livres e racionais que devem receber o respeito apropriado a esses seres. Vamos ver com mais detalhes o que isso significa e o que isso implica.
O problema do utilitarismo

O problema básico do utilitarismo, na opinião de Kant, é que ele julga as ações por suas conseqüências. Se sua ação faz as pessoas felizes, é boa; se fizer o contrário, é ruim. Mas isso é realmente contrário ao que poderíamos chamar de senso comum moral.

Considere esta questão. Quem você acha que é a pessoa melhor, o milionário que dá uma boa soma em dinheiro para caridade para impressionar e passar uma imagem de bonzinho, ou o trabalhador que doa um dia de seu trabalho para a caridade porque acha que é um dever ajudar os necessitados?

Se as conseqüências são tudo o que importa, então a ação do milionário é melhor. Mas isso não é o que a maioria das pessoas pensa. A maioria de nós julga as ações mais por seus motivos do que por suas consequências. A razão é óbvia: as conseqüências de nossas ações estão, muitas vezes, fora de nosso controle, assim como a bola está fora do controle do arremessador depois de ter saído de sua mão. Eu poderia salvar uma vida com o risco de minha própria vida, e a pessoa que eu salvo poderia ser serial killer. Ou eu poderia simplesmente não salvá-lo e, ao fazer isso, acidentalmente estaria livrando o mundo de um tirano terrível.

A boa vontade
A primeira sentença do Fundamento de Kant afirma: “a única coisa que é incondicionalmente boa é uma boa vontade”. O argumento de Kant para isso é bastante plausível. Considere tudo o que você considera bom: saúde, riqueza, beleza, inteligência etc. Em todos os casos, você pode imaginar uma situação em que essa coisa boa não é boa, afinal de contas. Uma pessoa pode ser corrompida por sua riqueza. A saúde robusta de um valentão torna mais fácil para ele abusar de suas vítimas. A beleza de uma pessoa pode levá-la a se tornar vaidosa e falhar em desenvolver seus talentos. Até a felicidade não é boa se for a felicidade de um sádico torturar suas vítimas.

Uma boa vontade, ao contrário, diz Kant, é sempre boa em todas as circunstâncias.

Mas o que, exatamente, ele quer dizer com boa vontade? A resposta é bastante simples. Uma pessoa age de boa vontade quando faz o que faz porque acha que é seu dever: quando age a partir de um senso de obrigação moral.

Direito vs. Inclinação

Obviamente, não realizamos todos os pequenos atos que fazemos por um sentimento de obrigação. Na maior parte do tempo, estamos simplesmente seguindo nossas inclinações, agindo por interesse próprio. Não há nada de errado com isso. Mas ninguém merece crédito por perseguir seus próprios interesses. Isso vem naturalmente para nós, assim como acontece naturalmente com todos os animais. O que é notável sobre os seres humanos, porém, é que podemos, e às vezes, realizar uma ação a partir de motivos puramente morais. Por exemplo, um soldado atira-se em uma granada, sacrificando sua vida para salvar a vida dos outros. Ou menos dramaticamente, eu pago uma dívida como prometi, mesmo que isso me deixe sem dinheiro.

Aos olhos de Kant, quando uma pessoa escolhe livremente fazer a coisa certa só porque é a coisa certa a fazer, sua ação agrega valor ao mundo; acende-se, por assim dizer, com um breve brilho de bondade moral.

Saber qual é o seu dever

Dizer que as pessoas devem cumprir seu dever com um senso de dever é fácil. Mas como podemos saber qual é o nosso dever? Às vezes, podemos nos ver diante de dilemas morais nos quais não é óbvio qual ação está correta.

De acordo com Kant, no entanto, na maioria das situações, o dever é óbvio. E se formos incertos, podemos resolver isso refletindo sobre um princípio geral que ele chama de “Imperativo Categórico”. Esse, ele afirma, é o princípio fundamental da moralidade.

Todas as outras regras e preceitos podem ser deduzidas a partir desse. Ele oferece várias versões diferentes desse imperativo categórico. Um corre da seguinte forma:

“Aja apenas com base na máxima que você pode usar como lei universal”.

O que isso significa, basicamente, é que devemos nos perguntar: como seria se todos agissem da maneira que estou agindo? Eu poderia sinceramente e consistentemente desejar um mundo em que todos se comportassem dessa maneira? De acordo com Kant, se nossa ação é moralmente errada, não poderíamos fazer isso. Por exemplo, suponha que estou pensando em quebrar uma promessa. Eu poderia desejar um mundo em que todos quebrassem suas promessas quando mantê-las fosse inconveniente? Kant argumenta que eu não poderia querer isso, até porque em tal mundo ninguém faria promessas, pois todos saberiam que uma promessa não significava nada.

O princípio das extremidades

Outra versão do Imperativo Categórico que Kant oferece afirma que se deve “sempre tratar as pessoas como fins em si mesmas, nunca apenas como um meio para os próprios fins. Isso é comumente chamado de “princípio dos fins”. Mas o que significa exatamente?

A chave para isso é a crença de Kant de que o que nos torna seres morais é o fato de sermos livres e racionais. Tratar alguém como um meio para seus próprios fins ou propósitos é não respeitar esse fato sobre eles. Por exemplo, se eu fizer você concordar em fazer algo fazendo uma promessa falsa, eu estou manipulando você. Sua decisão de me ajudar é baseada em informações falsas (a ideia de que vou cumprir minha promessa). Dessa maneira, minarei sua racionalidade. Isso é ainda mais óbvio se eu roubar de você ou sequestrar você para reivindicar um resgate. Tratar alguém como um fim, em contraste, envolve sempre respeitar o fato de que eles são capazes de escolhas racionais livres que podem ser diferentes das escolhas que você deseja que façam. Então, se eu quero que você faça alguma coisa, o único curso moral de ação é explicar a situação, explicar o que eu quero,

O Conceito de Iluminação de Kant

Em um famoso ensaio intitulado “O que é a iluminação?” Kant definiu a iluminação como “emancipação do homem de sua imaturidade auto-imposta”. O que isso significa? E o que isso tem a ver com a ética dele?

A resposta remonta à questão da religião não mais fornecendo uma base satisfatória para a moralidade. O que Kant chama de “imaturidade” da humanidade é o período em que as pessoas não pensam verdadeiramente por si mesmas. Elas normalmente aceitavam regras morais que lhes eram transmitidas pela religião, pela tradição ou por autoridades como a Bíblia, a igreja ou o rei. Muitas pessoas lamentaram o fato de que muitos perderam a fé nessas autoridades. O resultado é visto como uma crise espiritual para a civilização ocidental. Se “Deus está morto”, como sabemos o que é verdadeiro e o que é certo?

A resposta de Kant é que temos que trabalhar essas coisas por nós mesmos. Mas isso não é algo para lamentar. Em última análise, é algo para comemorar. A moralidade não é uma questão de capricho subjetivo. O que ele chama de “lei moral” – o imperativo categórico e tudo o que isso implica – pode ser descoberto pela razão. Mas é uma lei que nós, como seres racionais, impomos a nós mesmos. Não nos é imposto de fora. É por isso que um dos nossos sentimentos mais profundos é a reverência pela lei moral. E quando agimos como fazemos por respeito a isso – em outras palavras, por um senso de dever – nos preenchemos como seres racionais.

Esse é uma tradução da Revista Pensar Contemporâneo de artigo originalmente publicado em Thoughtco.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

TARAUACÁ: RIO TARAUACÁ APRESENTA TRANSBORDAMENTO E ÁGUAS JA ATINGEM RUAS DA CIDADE.


O Rio Tarauacá ja apresenta transbordamento e suas águas atingem algumas ruas do Bairro Senador Pompeu, popular Bairro da Praia.


De acordo com informações do corpo de Bombeiros, a medição desta segunda feira, realizada as 17 horas, demonstra que o nível do rio ja chega a 9,85m e continua subindo.


A cota de alerta do rio é de 8,50m e a de transbordamento é de 9,50m.


A região foi fotografada no final da tarde de hoje pelo fotógrafo Jardy Lopes, que está na cidade para passar o final do ano com a familia.  Por uma rede social ele relatou a situação. 

"BOA TARDE A FÚRIA DA NATUREZA RIO TARAUACÁ E MURU. O encontro das águas que banha a cidade tão linda e corre para o mar. Muita chuva na nossa região amazônica e na cidade de Tarauacá todos os dias chove, o bairro Senador Pompeu o conhecido bairro da praia já está com muitas
residências atingidas pelas águas do rio como você pode ver nas imagens. O bairro triângulo também é sempre uma área atingida!" disse Jardy Lopes

TARAUACÁ: EM SUA DESPEDIDA DA ESCOLA JOÃO RIBEIRO, PROFESSOR "MOÇO" AGRADECE A ACOLHIDA


O Professor Francisco Souza, o popular "Moço", usou uma rede social para se despedir e agradecer aos gestores, professores, servidores, estudantes e familiares da Escola de Ensino Médio João Ribeiro,  onde no ano de 2019 ministrou aulas de sociologia. 


Em 2020 "Moço" cumprir nova missão que é comandar a Escola Estadual Edmundo Pinto localizada no Bairro Corcovado, da qual se elegeu diretor na última eleição.


Lei ana íntegra, o que ele escreveu: 

"OBRIGADO POR TUDO, ESTIMADOS COLEGAS. 

Aproveito esta rica oportunidade para agradecer por tudo o que aprendi profissionalmente na Escola João Ribeiro em 2019 e que me será útil futuramente. Mas, o que levo de mais positivo são as lembranças do companheirismo e a amizade de vocês, sou grato a toda a comunidade escolar: equipe gestora, professores, alunos, funcionários e famílias.


Fazer parte desta equipe foi uma verdadeira honra e não me arrependi em nenhum momento de ter passado por aqui.


Levarei vocês no meu coração, estimados colegas. Nunca deixarei de torcer pelo sucesso de cada um de vocês. Obrigado por me terem dado oportunidade de pertencer a esta verdadeira família!

Em 2020 meu desafio, se Deus assim permitir, será na gestão da Escola Edmundo Pinto.

Desejo um Feliz ano novo para todos!"

Francisco da Silva de Souza

TARAUACÁ: Corpo de Bombeiros resgata corpo de mais uma vítima de afogamento


Na tarde de sábado 28, uma vitima que estava com um grupo pessoas pesacando num açude nas proximidades da BR 364 sentido Tarauacá/ Cruzeiro do Sul, na fazenda do Senhor João do Alfredo, foi vítima de afogamento.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a rede de pesca que estava sendo usada na pescaria havia ficado presa em possíveis galhos. Um dos pescadores, chamado por “Capilé” desceu em apnéia para desganchar a rede, em alguns instantes a rede foi solta.

Porém, o Capilé não retornou. Fomos acionados para o local e após buscas, o corpo foi encontrado, às 9h dê hoje, 29, pela GU Comandada pelo CB BM Souza Aguiar e os SD BM Járisson e Ramon. Ao chegar no local, as buscas foram seguindo as técnicas de Bombeiro Militar.

A vítima aparentemente tem 35 anos. Por não portar documentos não conseguimos dados mais precisos. O caso está sob investigação dos dados.

FOLHA DO ACRE

Teatro dos Náuas em Cruzeiro do Sul passa oficialmente a ter o nome de Alberto Lôro


Agora é oficial. O Teatro dos Náuas agora é Teatro dos Náuas Alberto Lôro.

O acréscimo no nome do principal espaço cultural na região do Juruá é uma justa homenagem ao cantor e compositor cruzeirense que morreu, vítima de câncer, no último dia 16 de novembro e foi publicado na edição desta segunda-feira, 30, do Diário Oficial do Estado.

Alberto Lôro é um dos mais conhecidos artistas do Acre. Suas composições que exaltam a beleza daquela região o fizeram uma espécie de porta-voz do Juruá.

FONTE: AC24hORAS

TARAUACÁ: Construção de 14 escolas novas muda a realidade de ensino na zona rural, disse a Prefeita Marilete.


A Prefeita de Tarauacá, Marilete Vitorino, cumpre nesta segunda-feira, 30, mais uma ação em prol da educação do município. Trata-se da assinatura da Ordem de Serviço para a construção de 14 novas escolas na zona rural do município. Esta é mais uma obra prioritária da Prefeitura Municipal de Tarauacá que vai trazer educação de qualidade para crianças e adolescentes da Zona Rural.

“Essas melhorias apenas confirmam a responsabilidade com que esta gestão está tendo com a Educação pública municipal e em melhorar a qualidade do ensino, sem esquecer do reconhecimento e respeito a todos os servidores que compõem a pasta”, comemorou o secretário Municipal de Educação, Orlando Bezerra.

A Prefeita Marilete Vitorino, reforçou que os investimentos em Educação seguirão até 2020 e fez um pequeno balanço de seus quatro anos a frente do Executivo municipal citando especificamente a área de educação. “Estamos fechando o ano de 2019 com muitas conquistas como a implantação do vale alimentação, pagamento de abono, reforma nas escolas da zona urbana, entrega de geladeiras novas e bebedouros são tantos investimentos para os profissionais da educação”. E completou: “Acredito que em todo o país não há um pacote de obras em plena execução como este de Tarauacá. Investimentos financeiro, estrutural e em pessoal, estão mudando a realidade do ensino-aprendizagem de Tarauacá, disse a Prefeita Marilete.

Por Gilson Amorim, da assessoria.

MENSAGEM DA SENADORA MAILZA GOMES


TARAUACÁ: CONFRATERNIZAÇÃO MARCA ENCERRAMENTO DO ANO LETIVO 2019 NA ESCOLA JOÃO RIBEIRO


A Escola Estadual de Ensino Médio João Ribeiro, encerrou as atividades do ano letivo 2019 com um encontro de confratenização para todos o seu quadro de pessoal. Professores, servidores administrativos e equipe gestora, celebraram o sucesso de mais um ano de trabalho.


Um almoço oferecido pela equipe gestora, entrega de certificados de reconhecimento, musica ao vivo, homenagens, brincadeiras e outras atividades marcaram o encontro que acontceu na última sexta feira, 27/12, no Clube da Maçonaria.


Professora Ilca Frota aproveitou a oportunidade para se despedir de todos, já que está encerrando sua missão como diretora da escola por um período de quase 8 anos. Ilca agradeceu a toda equipe pelo sucesso do trabalho desenvolvido. "Ao longo desses anos tivemos muitas conquistas, mudanças e uma tragetória de grandes avanços. A luta foi árdua, mas, conseguimos vencer. Agradeço a toda a comunidade escolar em todos os seus segmentos que foram o nosso alicerce na construção do trabalho. Nesse período compartilhamos conhecimento, luta e conquistas. Desejo sucesso à nova equipe gestora que está assumindo a direção da escola", declarou a diretora. 

fotos AQUI