CONTATO: gomesaccioly@gmail.com - 68 99775176

sexta-feira, 10 de março de 2017

Deputado Federal Alan Rick é contra proposta de Reforma da Previdência: “estou do lado do povo”

O deputado republicano Alan Rick disse esta semana que não votará a favor da PEC 287/2016 – Proposta da Reforma da Previdência se não forem feitos os ajustes necessários para dar garantia aos parlamentares de que eles não irão prejudicar o trabalhador brasileiro. Segundo o republicano, que é contra a obrigação de contribuição por 49 anos para garantir a aposentadoria integral e a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, há uma “guerra” de números entre as informações apresentadas pelo governo e as divulgadas pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (ANFIP).

“Não há transparência com relação a se existe déficit ou se a previdência é superavitária. Os números não fecham. Órgãos como a ANFIP e a Confederação dos Aposentados Brasileiros, dizem que é superavitária e o governo diz que é deficitária. Não há segurança jurídica para os deputados votarem com clareza. Há pontos da reforma que são absolutamente inaceitáveis”, critica.

Ainda segundo o deputado acreano, o tempo mínimo de contribuição para 25 anos é extremamente polêmico. “O governo apresentou um texto muito difícil para depois negociar. Só estamos debatendo termos inegociáveis. O tempo de contribuição de 49 anos é inegociável, isso é inadmissível. Também sou contra a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres. Existem diferenças fisiológicas que precisam ser respeitadas. As mulheres precisam se aposentar antes”, defende.

Alan Rick recrimina, ainda, o fato de algumas empresas não pagarem a previdência. “Há um déficit de 426 bilhões de reais de empresas que deveriam ter pago a Previdência e isso não foi feito. O cidadão não tem acesso a quanto foi depositado do seu salário pelo empregador mês a mês nas contas da Previdência. Não há transparência. Tudo isso me fez pontuar contrário à reforma e, mais que isso, porque considero um retrocesso com relação à garantia de uma velhice com mais dignidade”, acrescentou.

Nenhum comentário: