CONTATO: gomesaccioly@gmail.com - 68 99775176

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Francimar Bodão: a luta para realizar um sonho

Em visita a Xapuri, Bodão relembra como iniciou sua paixão pela luta (Foto: Kennedy Santos/Secom)
Agência Acre - Dono do nocaute mais rápido da história, Francimar Bodão é um dos lutadores de MMA com maior notoriedade do Brasil. Nascido no Acre, numa colocação chamada Patoá, interior do município de Xapuri, viveu seus primeiros anos com mais oito irmãos, pai e mãe.

Aos seis anos de idade, os pais decidiram se mudar para a comunidade da Sibéria, local em que todos os filhos pudessem ter acesso aos estudos. Considerada uma criança levada, o mais velho dos meninos sempre se envolvia em briga na escola. Foi quando, aos 10 anos, viu uma academia de artes marciais que lhe chamou a atenção.

“O professor percebeu meu interesse e me convidou para uma primeira aula, totalmente gratuita. Ele notou meu jeito para a coisa e falou que eu poderia continuar frequentando as aulas”, diz Francimar.

Foi então que passou a trocar os treinos de futebol, sua primeira paixão no esporte, pela luta. Inicialmente, fez as aulas escondido da mãe, que descobriu somente após a sua participação no primeiro campeonato estadual.

“Ela não aceitou. Dizia que aquilo não era esporte, eram apenas vários meninos brigando um com o outro. Foi então que eu expliquei que aquilo já era minha paixão, e perguntei se ela gostaria de me ver feliz ou triste. Mostrei meu kimono que tinha ganhado do treinador e ela percebeu que eu levava aquilo a sério, afinal, tinha até parado de brigar na escola”, lembra.

Francimar passou a frequentar a academia em todo o contraturno escolar. Logo, estava ajudando a puxar treino junto com o professor e viajar para Rio Branco para outras competições. Aos 18 anos, percebeu que não tinha mais condições de arcar com as despesas de viagem e decidiu se mudar de vez para a capital.

“Foi uma época difícil. Eu trabalhava a madrugada inteira como segurança de festas e treinava durante o dia. Saía andando do Tancredo Neves, onde morava com minha irmã, até o centro. Era uma rotina puxada, mas eu tinha o ideal de chegar longe, e isso me dava forças”, afirma o lutador.

Bodão em visita ao seu primeiro centro 
de treinamento de artes maciais, 
em Xapuri (Foto: Kennedy Santos/Secom)
Reconhecimento nacional - Aos 20, teve sua primeira competição nacional, na qual venceu o já renomado lutador Antonio Pezão. A luta garantiu que seu nome fosse reconhecido nesse meio, principalmente na Região Norte. Com isso, passou a dar aulas em uma acadêmia de Brasileia e, após seis meses, surgiu o convite para ir até Fortaleza (CE), lutar em uma competição regional do Nordeste.

Lá, morou por dois anos e depois decidiu mudar-se para Porto Alegre (RS), local em que ficou por um ano e meio. Voltou ao Acre para visitar a família e logo surgiu a oportunidade para ir até o Rio de Janeiro.

Na época, seu filho Ryan já tinha nascido, e desde muito novo Bodão já explicava a ele a necessidade de estar constantemente viajando. “Em toda a despedida eu sofria por ter que ficar distante dele, mas sabia que tinha que correr atrás do meu sonho. Graças a Deus, hoje ele entende agora que tudo o que eu fiz foi para lhe dar o melhor.”

Em Boston, Bodão ganhou o cinturão e surpreendeu os espectadores com pedido de casamento à esposa (Foto: Internet)
Nocaute mais rápido da história - Com as competições em diversas cidades brasileiras, passou a ser reconhecido também internacionalmente. Lutou em diversos locais, como Estados Unidos, Oriente Médio, Holanda e Emirados Árabes, local em que conseguiu o recorde de nocaute mais rápido da história do MMA: 2,5 segundos. “Costumo dizer que esta é a terra prometida, pois foi onde minha vida mudou totalmente”, destaca.

A convite do príncipe da Jordânia, mudou-se por dois anos para aquele país, onde treinava o exército e dava aulas particulares à equipe da corte. “Foi neste momento que percebi o quão longe já tinha chegado. Com o salário, consegui me estabelecer, comprar um carro, apartamento e fazer minhas economias”, conta Francimar.

Ao voltar ao Brasil, conquistou seu primeiro cinturão na competição do Sul-Americano. Com a carreira avançada, realizou o grande sonho de qualquer lutador: assinar contrato com o Ultimate Fight Championship (UFC). “Quando meu empresário ligou me informando, eu não acreditei. Só conseguia chorar. No dia seguinte, na hora de assinar o contrato, eu me tremia inteiro. Foi um momento único”, confessa.

Entre os destaques, está a luta em Boston (EUA), local em que venceu e surpreendeu todos os espectadores com o pedido de casamento à esposa Milena Tonnera.

Projetos futuros - Atualmente, Bodão vive entre o Rio de Janeiro e Rio Branco, mas afirma que pretende passar mais tempo na capital acreana, afinal, está realizando outro desejo antigo: abrir um centro de treinamento de artes marciais.

A inauguração está prevista para o fim de dezembro. O projeto terá sua sede em Rio Branco, mas, futuramente, deve chegar a todos os municípios do Acre. “Quero que outros jovens também tenham a oportunidade que eu tive, que é treinar em um centro com profissionais especializados.”

Além disso, em parceria com o Sistema Público de Comunicação, fará um documentário sobre toda a trajetória pessoal e profissional. A produção deve ser lançada ainda em 2017.

Nenhum comentário: