CONTATO: gomesaccioly@gmail.com - 68 99775176

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Governo lança campanha de enfretamento à prática de queimadas rurais

A campanha tem como público produtores, indígenas e extrativistas (Foto: Arison Jardim/Secom)
AGÊNCIA-ACRE - O Acre tem se destacado pelo seu Sistema de Incentivo aos Serviços Ambientais (Sisa), que beneficia produtores, indígenas e extrativistas, fomentando a produção sustentável na floresta, por meio do uso racional dos recursos e preservação do meio ambiente.

Em decorrência da forte seca que afeta o estado, o governo iniciou, nesta semana, a campanha “Sou agente do Clima e da Floresta. Evite Queimadas!”. A iniciativa, prevista no Plano Estadual de Prevenção, Combate e Controle do Desmatamento e Queimadas 2016, tem como público alvo os beneficiários do Programa ISA Carbono – desenvolvido pelo Sisa.


Em todo o estado, seis mil homens e mulheres são incentivados pelo programa. A campanha, que será disseminada até 7 novembro, é encabeçada pelo Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), secretarias de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Políticas para as Mulheres (SEPMulheres), Meio Ambiente (Sema), Corpo de Bombeiros e Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA).

O Sisa tem sido um dos grandes responsáveis pela redução do desmatamento e queimadas no Acre, que em 2015 reduziu em 10% o seu desmatamento ilegal. A política acreana de baixa emissão de carbono, transformou o Estado em referência pelo sua estratégia de produção sustentável e preservação da floresta, resultando numa nova economia: a economia verde.

Segundo a diretora-presidente do IMC, Magaly Medeiros, a iniciativa visa conscientizar a comunidade. “Os nossos beneficiários compreendem que a floresta em pé gera renda e saúde para todos. Essa campanha reforça essa ideia, uma vez que o Acre tem se destacado por meio de suas políticas públicas ambientais, voltadas para uma produção sustentável”.

Edegard de Deus, secretário de Meio Ambiente, observou que “nos últimos dez anos, o desmatamento ilegal foi reduzido em 67%, representando o sucesso de uma política pública que ocupa áreas abertas com produção sustentável”.

As instituições vão atuar de maneira integrada na campanha, que tem duração de dois meses e já possui calendário de atuação.

Nenhum comentário: